Antífona de Entrada:
Clamo por vós, meu Deus, porque me atendestes; inclinai vosso ouvido e escutai-me. Guardai-me como a pupila dos olhos, à sombra das vossas asas abrigai-me. (Sl 16, 6.8)

Oração do Dia:
Deus eterno e todo-poderoso, dai-nos a graça de estar sempre ao vosso dispor, e vos servir de todo o coração. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Primeira Leitura (Ef 3, 14-21)


Leitura da Carta de São Paulo aos Efésios


Irmãos, 14eu dobro os joelhos diante do Pai, 15de quem toda e qualquer família recebe seu nome, no céu e sobre a terra. 16Que ele vos conceda, segundo a riqueza da sua glória, serdes robustecidos, por seu Espírito, quanto ao homem interior, 17que ele faça habitar, pela fé, Cristo em vossos corações, que estejais enraizados e fundados no amor. 18Tereis assim a capacidade de compreender, com todos os santos, qual a largura, o comprimento, a altura, a profundidade, 19e de conhecer o amor de Cristo, que ultrapassa todo o conhecimento, a fim de que sejais cumulados até receber toda a plenitude de Deus. 20Àquele que tudo pode realizar superabundantemente, e muito mais do que nós pedimos ou concebemos, e cujo poder atua em nós, 21a ele a glória, na Igreja e em Jesus Cristo, por todas as gerações, para sempre. Amém.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 32)


R. Transborda em toda a terra a bondade do Senhor!


— Ó justos, alegrai-vos no Senhor! Aos retos fica bem glorificá-lo. Dai graças ao Senhor ao som da harpa, na lira de dez cordas celebrai-o! R.

— Pois reta é a palavra do Senhor, e tudo o que ele faz merece fé. Deus ama o direito e a justiça, transborda em toda a terra a sua graça. R.

— Mas os desígnios do Senhor são para sempre, e os pensamentos que ele traz no coração, de geração em geração, vão perdurar. Feliz o povo cujo Deus é o Senhor, e a nação que escolheu por sua herança! R.

— Mas o Senhor pousa o olhar sobre os que o temem, e que confiam esperando em seu amor, para da morte libertar as suas vidas e alimentá-los quando é tempo de penúria. R.


R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
V. Eu tudo considero como perda e como lixo, a fim de eu ganhar Cristo e ser achado nele! (Fl 3, 8-9) R.


Evangelho (Lc 12, 49-53)


V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.


V. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Lucas 

R. Glória a vós, Senhor.


V. Naquele tempo disse Jesus aos seus discípulos: 49“Eu vim para lançar fogo sobre a terra, e como gostaria que já estivesse aceso! 50Devo receber um batismo, e como estou ansioso até que isto se cumpra!

51Vós pensais que eu vim trazer a paz sobre a terra? Pelo contrário, eu vos digo, vim trazer divisão. 52Pois, daqui em diante, numa família de cinco pessoas, três ficarão divididas contra duas e duas contra três; 53ficarão divididos: o pai contra o filho e o filho contra o pai; a mãe contra a filha e a filha contra a mãe; a sogra contra a nora e a nora contra a sogra”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Jesus veio lançar o fogo do Espírito sobre nós

“Eu vim para lançar fogo sobre a terra, e como gostaria que já estivesse aceso! Devo receber um batismo, e como estou ansioso até que isto se cumpra!” (Lucas 12,49-50).

Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo veio lançar o fogo do amor, o fogo do Espírito sobre toda a face da Terra. E o desejo de Jesus, a ansiedade de Jesus - aqui se fala da boa ansiedade - é para que esse batismo, que renova e transforma o mundo, esteja cada vez mais acontecendo e irradiando sobre todo o Universo.

É preciso que tomemos ciência e consciência desta realidade: é fogo que Deus veio lançar sobre a Terra, é o fogo que queima, que incendeia, que acende, são chamas vivas, é o fogo da graça.

Quando fomos batizados, a água derramada sobre a nossa cabeça foi a água do Espírito, que lava, purifica e renova... O Espírito, que foi derramado sobre nós, veio sobre a forma de fogo. Pensa em uma chama acesa, uma chama que está sempre iluminando, incendiando e irradiando a graça, é essa chama que a graça de Deus acendeu em nossos corações, é esse fogo que precisa estar sempre aceso dentro de nós, nos queimando, nos fazendo arder por dentro de amor, de paixão por tudo aquilo que o fogo é.

O fogo é símbolo do amor e da paixão, é o amor pelo Evangelho, paixão por Jesus e pelo Reino de Deus. Deixamos que não a água do Espírito, mas a água do mundo apagasse esse fogo em nós, fosse tirando essa chama acesa de dentro de nós, de todo fulgor e esplendor que o fogo do Senhor sempre teve em nossa vida. Vai se juntando decepções, mágoas, frustrações, inquietações, medos, pavores, temores, e isso vai encobrindo e abafando o fogo da graça de Deus em nós. Ao invés de estarmos acesos, estamos apagados; ao invés de estarmos iluminados, estamos na escuridão.

Quando fomos batizados, a água derramada sobre a nossa cabeça foi a água do Espírito

Nós, muitas vezes, ao invés de estarmos levando a graça, estamos comentando e levando até desgraça à vida uns dos outros. Que fogo está aceso em nós? Cadê o nosso ânimo de falarmos e proclamarmos Jesus?

Se você pega os torcedores de time de futebol, o time, às vezes, nem está tão bem, tem torcedor de time lá da terceira divisão que tem uma loucura por causa do seu time até perdendo. Os fãs dos ídolos deste mundo falam com entusiasmo dos seus ídolos. Cadê o nosso amor por Jesus? Cadê o nosso amor pelo Evangelho? Cadê a nossa paixão pelo Reino de Deus?

Por que estamos deixando que esse fogo se apague? Por que não estamos incendiando primeiro o nosso coração? Por que não estamos irradiando esse fogo na casa, na família, no lar, nos irmãos, nos amigos? Por que estamos deixando a nossa alma ficar deprimida e depressiva? Por que estamos levando cada vez mais azedume e amargura nos ambientes onde estamos e não estamos levando o fogo do Evangelho, o nosso amor por Jesus?  

Jesus veio lançar fogo sobre a terra. Que Ele lance muito fogo sobre o nosso coração e a nossa vida! Não é fogo de palha, é fogo do Espírito. Que Ele esteja incendiando a nossa alma e o nosso coração, para levarmos Jesus com paixão aos corações, a começar do nosso próprio coração, da nossa casa e da nossa família.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo

Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Memória de São João Paulo II, Papa

Maria Santíssima, por ser Mãe segundo a carne daquele que é Cabeça da Igreja, é Mãe, na ordem da graça, de todos os membros de seu Corpo místico. Mas assim como se pode estar mais ou menos unido a Cristo, como membro vivo, morto ou potencial, assim também é possível ser mais ou menos filho de Maria, em função do estado em que se mantém a própria alma, viva pela caridade, morta no pecado ou ainda à espera da primeira justificação. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta quinta-feira, dia 22 de outubro, e aprendamos de São João Paulo II a ser, nesta vida, bons filhos de Nossa Senhora, a fim de gozarmos com ela da visão gloriosa de seu Filho, Jesus Cristo!





Santo do Dia:

São João Paulo II

São João Paulo II nasceu no dia 18 de Maio de 1920, em Wadowice, na Polônia. Foi batizado com o nome de Karol Wojtyła.

Em Outubro de 1942, entrou no seminário de Cracóvia clandestinamente, por causa da invasão comunista em seu país, e a 1º de Novembro de 1946, foi ordenado sacerdote. Em 4 de Julho de 1958, o Papa Pio XII nomeou-o Bispo auxiliar de Cracóvia. Tendo em vista sua espiritualidade marcadamente mariana, Karol escolheu como lema episcopal a conhecida expressão "Totus tuus", de São Luís Maria Grignion de Montfort, grande apóstolo da Virgem Maria. A ordenação episcopal de Wojtyla foi em 28 de Setembro do mesmo ano. No dia 13 de Janeiro de 1964, foi eleito Arcebispo de Cracóvia. Em 26 de Junho de 1967, foi criado Cardeal por Paulo VI. Na tarde de 16 de Outubro de 1978, depois de oito escrutínios, foi eleito Papa.

A espiritualidade mariana do grande São João Paulo II o levou a uma vida inteiramente dedicada a Deus, principalmente os seus mais de 25 anos de pontificado, um dos mais longos da história da Igreja. Olhando para a vida de João Paulo II, este santo dos nossos dias, podemos aprender a espiritualidade que o fez de um dos Papas mais extraordinários de todos os tempos e que o elevou rapidamente à glória dos altares.

Ainda seminarista, um livro clássico de espiritualidade mariana o ajudou a tirar as dúvidas que tinha em relação a devoção a Nossa Senhora e a centralidade de Jesus Cristo na vida e na espiritualidade católica.

A obra que marcou profundamente a vida e consequentemente a espiritualidade de Karol Wojtyla foi o “Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem”, de São Luís Maria Grignion de Montfort. Falando às Famílias Monfortinas, o Papa João Paulo II disse que o Tratado é um “texto clássico da espiritualidade mariana”, que teve singular importância em seu pensamento e em sua vida. Segundo o Santo Padre, o Tratado é uma “obra de eficiência extraordinária para a difusão da ‘verdadeira devoção’ à Virgem Santíssima”. São João Paulo II experimentou e testemunhou essa eficácia do Tratado em sua própria vida:

"Eu próprio, nos anos da minha juventude, tirei grandes benefícios da leitura deste livro, no qual “encontrei a resposta às minhas perplexidades” devidas ao receio que o culto a Maria, “dilatando-se excessivamente, acabasse por comprometer a supremacia do culto devido a Cristo”. Sob a orientação sábia de São Luís Maria compreendi que, quando se vive o mistério de Maria em Cristo, esse risco não subsiste. O pensamento mariológico do Santo, de fato, “está radicado no Mistério trinitário e na verdade da Encarnação do Verbo de Deus”.

No dia 22 de Outubro, a Igreja Católica celebra o dia de São João Paulo II. A data foi estabelecida pelo papa Francisco por simbolizar o dia em que Karol Wojtyla celebrou sua primeira missa como Pontífice, em 1978, iniciando seu pontificado.

São João Paulo II, rogai por nós!


Oração sobre as Oferendas:
Dai-nos, ó Deus, usar os vossos dons servindo-vos com liberdade, para que, purificados pela vossa graça, sejamos renovados pelos mistérios que celebramos em vossa honra. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona de Comunhão:
Eis que o Senhor pousa o olhar sobre os que o temem e que confiam esperando em seu amor, para da morte libertar as suas vidas e alimentá-los quando é tempo de penúria. (Sl 32, 18-19)

Ou:


O Filho do homem veio dar a sua vida para a salvação dos homens. (Mc 10, 45)

Oração depois da Comunhão:
Dai-nos, ó Deus, colher os frutos da nossa participação na Eucaristia para que, auxiliados pelos bens terrenos, possamos conhecer os valores eternos. Por Cristo, nosso Senhor.