Antífona de entrada

O Cordeiro que foi imolado é digno de receber o poder, a divindade, a sabedoria, a força e a honra. A ele glória e poder através dos séculos. (Ap 5, 12; 1, 6)

Oração do dia

Deus eterno e todo-poderoso, que dispusestes restaurar todas as coisas no vosso amado Filho, Rei do universo, fazei que todas as criaturas, libertas da escravidão e servindo à vossa majestade, vos glorifiquem eternamente. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Primeira Leitura (Ez 34, 11-12. 15-17)


Leitura da Profecia de Ezequiel


11Assim diz o Senhor Deus: “Vede! Eu mesmo vou procurar minhas ovelhas e tomar conta delas. 12Como o pastor toma conta do rebanho, de dia, quando se encontra no meio das ovelhas dispersas, assim vou cuidar de minhas ovelhas e vou resgatá-las de todos os lugares em que foram dispersadas num dia de nuvens e escuridão.

15Eu mesmo vou apascentar as minhas ovelhas e fazê-las repousar — oráculo do Senhor Deus — . 16Vou procurar a ovelha perdida, reconduzir a extraviada, enfaixar a da perna quebrada, fortalecer a doente, e vigiar a ovelha gorda e forte. Vou apascentá-las conforme o direito. 17Quanto a vós, minhas ovelhas, — assim diz o Senhor Deus — eu farei justiça entre uma ovelha e outra, entre carneiros e bodes”.

Salmo Responsorial (Sl 22)


R. O Senhor é o pastor que me conduz; não me falta coisa alguma.


— Pelos prados e campinas verdejantes ele me leva a descansar. Para as águas repousantes me encaminha, e restaura as minhas forças. R.

— Preparais à minha frente uma mesa, bem à vista do inimigo, e com óleo vós ungis minha cabeça; o meu cálice transborda. R.

— Felicidade e todo bem hão de seguir-me por toda a minha vida; e, na casa do Senhor, habitarei pelos tempos infinitos. R.


Segunda Leitura (1Cor 15, 20-26. 28)


Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios


Irmãos: 20Na realidade, Cristo ressuscitou dos mortos como primícias dos que morreram. 21Com efeito, por um homem veio a morte, e é também por um homem que vem a ressurreição dos mortos.

22Como em Adão todos morrem, assim também em Cristo todos reviverão. 23Porém, cada qual segundo uma ordem determinada: Em primeiro lugar, Cristo, como primícias; depois, os que pertencem a Cristo, por ocasião da sua vinda. 24A seguir, será o fim, quando ele entregar a realeza a Deus-Pai, depois de destruir todo principado e todo poder e força. 25Pois é preciso que ele reine, até que todos os seus inimigos estejam debaixo de seus pés. 26O último inimigo a ser destruído é a morte. 28E, quando todas as coisas estiverem submetidas a ele, então o próprio Filho se submeterá àquele que lhe submeteu todas as coisas, para que Deus seja tudo em todos.

Aclamação ao Evangelho

R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
V. É bendito aquele que vem vindo, que vem vindo em nome do Senhor; e o Reino que vem seja bendito; ao que vem e a seu Reino, o louvor! (Mc 11, 10) R.

Evangelho (Mt 25, 31-46)


V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.


V. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Mateus 

R. Glória a vós, Senhor.


V. Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 31“Quando o Filho do Homem vier em sua glória, acompanhado de todos os anjos, então se assentará em seu trono glorioso.

32Todos os povos da terra serão reunidos diante dele, e ele separará uns dos outros, assim como o pastor separa as ovelhas dos cabritos. 33E colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda.

34Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: ‘Vinde, benditos de meu Pai! Recebei como herança o Reino que meu Pai vos preparou desde a criação do mundo! 35Pois eu estava com fome e me destes de comer; eu estava com sede e me destes de beber; eu era estrangeiro e me recebestes em casa; 36eu estava nu e me vestistes; eu estava doente e cuidastes de mim; eu estava na prisão e fostes me visitar’.

37Então os justos lhe perguntarão: ‘Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer? Com sede e te demos de beber? 38Quando foi que te vimos como estrangeiro e te recebemos em casa, e sem roupa e te vestimos? 39Quando foi que te vimos doente ou preso e fomos te visitar?’

40Então o Rei lhes responderá: ‘Em verdade eu vos digo que todas as vezes que fizestes isso a um dos menores de meus irmãos, foi a mim que o fizestes!’

41Depois o Rei dirá aos que estiverem à sua esquerda: ‘Afastai-vos de mim, malditos! Ide para o fogo eterno, preparado para o diabo e para os seus anjos. 42Pois eu estava com fome e não me destes de comer; eu estava com sede e não me destes de beber; 43eu era estrangeiro e não me recebestes em casa; eu estava nu e não me vestistes; eu estava doente e na prisão e não me fostes visitar’.

44E responderão também eles: ‘Senhor, quando foi que te vimos com fome, ou com sede, como estrangeiro, ou nu, doente ou preso, e não te servimos?’

45Então o Rei lhes responderá: ‘Em verdade eu vos digo: todas as vezes que não fizestes isso a um desses pequeninos, foi a mim que não o fizestes!’46Portanto, estes irão para o castigo eterno, enquanto os justos irão para a vida eterna”.

Sobre as Oferendas

Oferecendo-vos estes dons que nos reconciliam convosco, nós vos pedimos, ó Deus, que o vosso próprio Filho conceda paz e união a todos os povos. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão

O Senhor em seu trono reina para sempre. O Senhor abençoa o seu povo na paz. (Sl 28, 10-11)

Depois da Comunhão

Alimentados pelo pão da imortalidade, nós vos pedimos, ó Deus, que, gloriando-nos de obedecer na terra aos mandamentos de Cristo, Rei do universo, possamos viver com ele eternamente no reino dos céus. Por Cristo, nosso Senhor.

Homilia do dia 22/11/2020
O Reino de Deus acontece quando cuidamos dos necessitados

“Então, o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: ‘Vinde, benditos de meu Pai! Recebei como herança o Reino que meu Pai vos preparou desde a criação do mundo!’” (Mateus 25,34).

Celebramos, hoje, a Solenidade de Cristo Rei do Universo e queremos reconhecer o senhorio de Jesus, queremos proclamá-Lo como Rei e Senhor da nossa vida. Queremos também olhar para todas as realidades presentes e futuras. No presente, queremos reconhecer Jesus, o Senhor da nossa casa, da nossa família e da nossa história.

Queremos também reconhecer que o fim de todas as coisas é o reinado universal do Senhor Jesus, onde todos se voltarão para Ele; e Jesus, como o bom Rei, separará os que pertencem e os que não pertencem ao Seu Reino.

É óbvio que aqueles que deixarem Jesus reinar na sua vida durante a vida, reinarão com o Senhor, e aqueles que não assumiram ou não permitiram o senhorio de Jesus acontecer na sua vida, não participarão do Reino eterno do Senhor Jesus.

O Reino do Senhor — onde Ele mesmo vai chamar para estar à Sua direita os benditos do Pai, para receber a herança que está preparada desde à criação do mundo —  será daqueles que foram a misericórdia de Deus para com o Seu próximo.


O Reino de Deus acontece quando o pobre é cuidado, quando a fome é saciada, quando o necessitado é acolhido

O Reino de Deus é daqueles que exercem a misericórdia, a caridade e o amor para com o seu próximo. O Reino de Deus não é feito só de orações, a oração é fundamental e essencial, mas a oração que não se reveste de obras de misericórdia, não faz parte do Reino de Jesus.

As obras de misericórdia são estas: cuidar dos mais necessitados. Jesus está naquele que está com fome, com sede, naquele que está nu, que está na prisão, naquele que está renegado em nossas ruas, naquele que está doente e enfermo.

Muitas vezes, nós que somos igreja, não reconhecemos Jesus nessas pessoas, não temos tempo, desprezamos, não cuidamos, não devotamos amor; até nutrimos muitas vezes ódio, nojo, rejeição e desprezo. Estamos desprezando Jesus que está neles.

Não podemos deixar ninguém ao nosso lado passar fome e necessidades. Não se constrói o Reino de Deus apenas para alguns privilegiados, porque alguns querem justificar a sua bonança: “Porque tem muito”; “Porque Deus me deu”. Se foi Deus que te deu, Ele te deu para repartir, para compartilhar, para que você possa cuidar daqueles que não têm. Como nos diz São João Crisóstomo: 'Tudo que temos em nossa casa pertence aos pobres'.

Infelizmente, está se formando uma mentalidade cristã totalmente deturpada, onde as pessoas querem acumular, ter e acreditar que a bênção de Deus está no possuir quando, na verdade, a bênção de Deus está no dividir, está no saber partilhar e compartilhar o pão que temos em nossa casa, a começar por nossas crianças que precisam saber repartir os presentes que ganham a nós adultos que precisamos vencer o nosso egoísmo para encontrarmos o Senhor Jesus no meio dos mais pobres e sofridos.

O Reino de Deus não começa nos nossos banquetes, o Reino de Deus acontece quando o pobre é cuidado, quando a fome é saciada, quando o necessitado é acolhido, quando o doente é cuidado.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo

Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco

As cinco razões do Juízo Final

Embora já se inicie em nossos corações, o reinado de Cristo só será consumado na plenitude da sua glória após o Juízo Final, em que Ele, como Rei do universo, julgará os vivos e os mortos. Esse Juízo, que não se confunde com o particular, faz-se necessário por cinco razões principais, e é sobre elas que o Pe. Paulo Ricardo medita nesta homilia para a grande solenidade de Cristo Rei.




Santo do dia 22/11/2020

Santa Cecília

Hoje celebramos a santidade da virgem que foi exaltada como exemplo perfeitíssimo de mulher cristã, pois em tudo glorificou a Jesus. Santa Cecília é uma das mártires mais veneradas durante a Idade Média, tanto que uma basílica foi construída em sua honra no século V. Embora se trate da mesma pessoa, na prática fala-se de duas santas Cecílias: a da história e a da lenda. A Cecília histórica é uma senhora romana que deu uma casa e um terreno aos cristãos dos primeiros séculos. A casa transformou-se em igreja, que se chamou mais tarde Santa Cecília no Trastévere; o terreno tornou-se cemitério de São Calisto, onde foi enterrada a doadora, perto da cripta fúnebre dos Papas.

No século VI, quando os peregrinos começaram a perguntar quem era essa Cecília cujo túmulo e cuja inscrição se encontravam em tão honrosa companhia, para satisfazer a curiosidade deles, foi então publicada uma Paixão, que deu origem à Cecília lendária; esta foi sem demora colocada na categoria das mártires mais ilustres. Segundo o relato da sua Paixão, Cecília fora uma bela cristã da mais alta nobreza romana que, segundo o costume, foi prometida pelos pais em casamento a um nobre jovem chamado Valeriano. Aconteceu que, no dia das núpcias, a jovem noiva, em meio aos hinos de pureza que cantava no íntimo do coração, partilhou com o marido o fato de ter consagrado sua virgindade a Cristo e que um anjo guardava sua decisão.

Valeriano, que até então era pagão, a respeitou, mas disse que somente acreditaria se contemplasse o anjo. Desse desafio ela conseguiu a conversão do esposo que foi apresentado ao Papa Urbano, sendo então preparado e batizado, juntamente com um irmão de sangue de nome Tibúrcio. Depois de batizado, o jovem, agora cristão, contemplou o anjo, que possuía duas coroas (símbolo do martírio) nas mãos. Esse ser celeste colocou uma coroa sobre a cabeça de Cecília e outra sobre a de Valeriano, o que significava um sinal, pois primeiro morreu Valeriano e seu irmão por causa da fé abraçada e logo depois Santa Cecília sofreu o martírio, após ter sido presa ao sepultar Valeriano e Tibúrcio na sua vila da Via Ápia.

Colocada diante da alternativa de fazer sacrifícios aos deuses ou morrer, escolheu a morte. Ao prefeito Almáquio, que tinha sobre ela direito de vida ou de morte, ela respondeu: "É falso, porque podes dar-me a morte, mas não me podes dar a vida". Almáquio condenou-a a morrer asfixiada; como ela sobreviveu a esse suplício, mandou que lhe decapitassem a cabeça.

Nas Atas de Santa Cecília lê-se esta frase: "Enquanto ressoavam os concertos profanos das suas núpcias, Cecília cantava no seu coração um hino de amor a Jesus, seu verdadeiro Esposo". Essas palavras, lidas um tanto por alto, fizeram acreditar no talento musical de Santa Cecília e valeram-lhe o ser padroeira dos músicos. Hoje essa grande mártir e padroeira dos músicos canta louvores ao Senhor no céu.

Santa Cecília, rogai por nós!