Antífona de Entrada:
Clamo por vós, meu Deus, porque me atendestes; inclinai vosso ouvido e escutai-me. Guardai-me como a pupila dos olhos, à sombra das vossas asas abrigai-me. (Sl 16, 6.8)

Oração do Dia:
Deus eterno e todo-poderoso, dai-nos a graça de estar sempre ao vosso dispor, e vos servir de todo o coração. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Primeira Leitura (Ef 4, 1-6)


Leitura da Carta de São Paulo aos Efésios


Irmãos, 1eu, prisioneiro no Senhor, vos exorto a caminhardes de acordo com a vocação que recebestes: 2Com toda a humildade e mansidão, suportai-vos uns aos outros com paciência, no amor. 3Aplicai-vos a guardar a unidade do espírito pelo vínculo da paz. 4Há um só Corpo e um só Espírito, como também uma só é a esperança à qual fostes chamados. 5Há um só Senhor, uma só fé, um só batismo, 6um só Deus e Pai de todos, que reina sobre todos, age por meio de todos e permanece em todos.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 23)


R. É assim a geração dos que buscam vossa face, ó Senhor, Deus de Israel.


— Ao Senhor pertence a terra e o que ela encerra, o mundo inteiro com os seres que o povoam; porque ele a tornou firme sobre os mares, e sobre as águas a mantém inabalável. R.

— “Quem subirá até o monte do Senhor, quem ficará em sua santa habitação?” “Quem tem mãos puras e inocente coração, quem não dirige sua mente para o crime. R.

— Sobre este desce a bênção do Senhor e a recompensa de seu Deus e Salvador”. “É assim a geração dos que o procuram, e do Deus de Israel buscam a face.” R.


R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
V. Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, pois revelaste os mistérios do teu Reino aos pequeninos, escondendo-os aos doutores! (Cf. Mt 11, 25) R.


Evangelho (Lc 12, 54-59)


V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.


V. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Lucas 

R. Glória a vós, Senhor.


V. Naquele tempo, 54Jesus dizia às multidões: “Quando vedes uma nuvem vinda do ocidente, logo dizeis que vem chuva. E assim acontece. 55Quando sentis soprar o vento do sul, logo dizeis que vai fazer calor. E assim acontece. 56Hipócritas! Vós sabeis interpretar o aspecto da terra e do céu. Como é que não sabeis interpretar o tempo presente? 57Por que não julgais por vós mesmos o que é justo?

58Quando, pois, tu vais com o teu adversário apresentar-te diante do magistrado, procura resolver o caso com ele enquanto estais a caminho. Senão ele te levará ao juiz, o juiz te entregará ao guarda, e o guarda te jogará na cadeia. 59Eu te digo: daí tu não sairás, enquanto não pagares o último centavo”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Usemos a sabedoria para encontrarmos a direção de Deus

“Hipócritas! Vós sabeis interpretar o aspecto da terra e do céu. Como é que não sabeis interpretar o tempo presente? Por que não julgais por vós mesmos o que é justo?” (Lucas 12,56-57).

Basta olhar como está o tempo em que estamos. Se o tempo está seco, já tenho certeza que não vai chover, que não conseguimos fazer muita coisa porque a secura está aí; basta aparecer nuvens mais carregadas e já sei distinguir que logo ali vai chover. Enfim, nós usamos nossa sabedoria para distinguir os sinais dos tempos na atmosfera, o tempo climático, mas não usamos a nossa sabedoria para distinguir os tempos em que vivemos, para separar uma coisa da outra, para usarmos do discernimento espiritual para escutarmos a voz de Deus, a mensagem de Deus, a direção e a luz de Deus para a nossa vida.

Não conseguimos entender que quando está saindo fumaça é porque tem fogo ali, muitas vezes, não conseguimos entender a nossa própria vida. Quando não estamos bem, quando algo está errado, nós, muitas vezes, interpretamos as coisas de forma errada, achamos que quando não estamos bem a culpa é do outro, a culpa é de Deus. Nunca paramos para voltarmos para dentro de nós, nos autoanalisar, fazermos uma autocrítica, para percebermos onde erramos, onde falhamos, onde nos excedemos, onde colocamos de mais e onde colocamos de menos.  

Que não falte sabedoria nos tempos em que vivemos, para buscarmos de Deus a direção para o nosso viver

Há uma tendência frenética de guerras, de combates, de acusações na sociedade e no mundo em que estamos. Quando paramos para analisar o mundo, paramos justamente para buscar culpados e, geralmente, os culpados são outros.

As pessoas estão insatisfeitas com os políticos, mas ninguém nunca parou para fazer uma autoanálise: “Como eu votei?”; “Como eu participei da sociedade e do mundo em que estou?”; “Qual é a minha colaboração?”; “Qual é, de fato, a minha inserção no mundo em que vivo?”.

As coisas em casa, de repente, não estão bem, mas não paro para refletir qual é a contribuição que dou ou o que fiz. Primeiro, paro para me defender e me justificar, estou sempre me justificando. Depois, parto para o segundo ponto: “E ele?”; “E o outro?”. E ai o mundo não consegue caminhar na sabedoria, não consegue realmente captar a luz e a direção de Deus para os tempos em que vivemos.

O primeiro que devo olhar e analisar sou eu mesmo, a primeira atitude é voltada sempre para mim. Quando sei usar dessa sabedoria, evangelicamente, vou ter de Deus a direção para ver as outras coisas da vida, onde devo ir, como devo agir e entender, sobretudo, os tempos em que vivemos. Tempos críticos, difíceis, complicados, mas outros tempos na história da humanidade não foram diferentes. Lá atrás, houve quem teve sabedoria, houve quem soube escutar a Deus, quem se retirou para estar com Ele e deixar ser conduzido.

Que não falte essa sabedoria nos tempos em que vivemos, para buscarmos de Deus a direção para o nosso viver a cada dia.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo

Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Memória de São João de Capistrano

Celebramos hoje a memória de São João de Capistrano, presbítero franciscano, por quem Deus quis ser servido em quase todos os estados de vida: leigo, esposo, jurista, padre, missionário, diplomata e “chefe” militar. Viveu mais de 70 anos, por caminhos à primeira vista “mal traçados”, mas todos perfeitamente alinhados segundo os desígnios da Providência divina, que tudo faz concorrer para o bem dos que amam a Deus, amigo das almas santas. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta sexta-feira, dia 23 de outubro, e conheça mais sobre a vida de São João de Capistrano!





Santo do Dia:

São João de Capistrano


O santo de hoje fez da ação um ato de amor e do amor uma força para a ação, por isso, muito penitente e grande devoto do nome de Jesus, chegou à santidade. João nasceu em Capistrano (Itália), em 1386, e com privilegiados e belos talentos, cursou os estudos jurídicos na universidade de Perusa.

Juiz de direito, casado e nomeado governador de uma cidade na Itália, acabou na prisão por causa de intrigas políticas. Diante do sistema do mundo, frágil, que prometia apenas a felicidade terrena, e após a morte de sua esposa, João quis entrar numa Ordem religiosa. Com este objetivo, teve João a coragem de vender os bens, pagar o resgate de sua missão, dar o resto aos pobres e seguir Jesus como São Francisco de Assis. O superior da Ordem, conhecendo os antecedentes de João, o submeteu a duras provas de sua vocação, e por tudo João passou com humildade e paciência.

Ordenado sacerdote, consagrou-se ao poder do Espírito no apostolado da pregação; viveu de modo profundo o espírito de mortificação. João de Capistrano enfrentou a ameaça dos turcos contra a Europa e a tentativa de desunião no seio da própria Ordem Franciscana. Apesar de homem de ação prodigiosa e de suas contínuas viagens através de toda a Europa descalço, João foi também escritor fecundo, consumido pelo trabalho.

São João tinha muita habilidade para a diplomacia; era sábio, prudente, e media muito bem seus julgamentos e suas palavras. Tinha sido juiz e governador e sabia tratar muito bem às pessoas. Por isso quatro Pontífices (Martinho V, Eugênio IV, Nicolau V e Calisto III) empregaram-no como embaixador em muitas e muito delicadas missões diplomáticas, e com muito bons resultados.

Três vezes os Sumos Pontífices quiseram nomeá-lo Bispo de importantes cidades, mas ele preferiu seguir sendo humilde pregador, pobre e sem títulos honoríficos. Em 1453, os turcos muçulmanos propuseram invadir a Europa para acabar com o Cristianismo. Então São João foi à Hungria e percorreu toda a nação pregando ao povo, incitando-o a sair entusiasta em defesa de sua santa religião. As multidões responderam a seu chamado, e logo se formou um bom exército de crentes. Os muçulmanos chegaram perto de Belgrado com 200 canhões, uma grande frota de navios de guerra pelo rio Danúbio, e 50.000 terríveis janíçaros a cavalo, fortemente armados. Os chefes católicos pensaram em retirar-se porque eram muito inferiores em número. Mas foi aqui quando interveio João de Capistrano: empunhando um crucifixo, foi percorrendo com ele todas as fileiras, animando os soldados com a lembrança de que iam combater por Jesus Cristo, o grande Deus dos exércitos. Tanta confiança e coragem inspirou a presença do santo aos cristãos, que logo ao primeiro ímpeto foi derrotado o exército otomano.

João de Capistrano morreu aos 71 anos de idade, a 23 de outubro de 1456, e foi beatificado pelo Papa Leão X e solenemente canonizado pelo Papa Alexandre VIII no ano de 1690.


São João de Capistrano, rogai por nós!


Oração sobre as Oferendas:
Dai-nos, ó Deus, usar os vossos dons servindo-vos com liberdade, para que, purificados pela vossa graça, sejamos renovados pelos mistérios que celebramos em vossa honra. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona de Comunhão:
Eis que o Senhor pousa o olhar sobre os que o temem e que confiam esperando em seu amor, para da morte libertar as suas vidas e alimentá-los quando é tempo de penúria. (Sl 32, 18-19)

Ou:


O Filho do homem veio dar a sua vida para a salvação dos homens. (Mc 10, 45)

Oração depois da Comunhão:
Dai-nos, ó Deus, colher os frutos da nossa participação na Eucaristia para que, auxiliados pelos bens terrenos, possamos conhecer os valores eternos. Por Cristo, nosso Senhor.