Antífona de entrada

A cruz de nosso Senhor Jesus Cristo deve ser a nossa glória: nele está nossa vida e ressurreição; para os salvos, como nós, ela é poder de Deus. (Gl 6, 14a; 1Cor 1, 18)

Oração do dia

Ó Deus, fonte e origem de toda paternidade, que destes aos santos mártires André e seus companheiros serem fiéis à cruz do vosso Filho até a efusão do sangue, concedei, por sua intercessão, que, propagando o vosso amor entre os irmãos, possamos ser chamados vossos filhos e filhas e realmente o sejamos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Primeira Leitura (Ap 14, 14-19)


Leitura do Livro do Apocalipse de São João


Eu, João, 14 na minha visão, vi uma nuvem branca e sentado na nuvem alguém que parecia um “filho de homem”. Tinha na cabeça uma coroa de ouro e, nas mãos, uma foice afiada. 15 Saiu do Templo um outro anjo, gritando em alta voz para aquele que estava sentado na nuvem: “Lança tua foice, e ceifa. Chegou a hora da colheita. A seara da terra está madura!” 16 E aquele que estava sentado na nuvem lançou a foice, e a terra foi ceifada. 17 Então saiu do templo que está no céu mais um anjo. Também ele tinha nas mãos uma foice afiada. 18 E saiu, de junto do altar, outro anjo ainda, aquele que tem o poder sobre o fogo. Ele gritou em alta voz para aquele que segurava a foice afiada: “Lança a foice e colhe os cachos da videira da terra, porque as uvas já estão maduras.” 19 E o anjo lançou a foice afiada na terra, e colheu as uvas da videira da terra. Depois, despejou as uvas no grande lagar do furor de Deus.

Salmo Responsorial (Sl 95)


R. O Senhor vem julgar nossa terra.


— Publicai entre as nações: “Reina o Senhor!” Ele firmou o universo inabalável, e os povos ele julga com justiça. R.

— O céu se rejubile e exulte a terra, aplauda o mar com o que vive em suas águas; os campos com seus frutos rejubilem e exultem as florestas e as matas R.

— na presença do Senhor, pois ele vem, porque vem para julgar a terra inteira. Governará o mundo todo com justiça, e os povos julgará com lealdade. R.

Aclamação ao Evangelho

R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
V. Permanece fiel até a morte, e a coroa da vida eu te darei! (Ap 2,10c) R.

Evangelho (Lc 21, 5-11)


V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.


V. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Lucas 

R. Glória a vós, Senhor.


V. Naquele tempo, 5algumas pessoas comentavam a respeito do Templo que era enfeitado com belas pedras e com ofertas votivas. Jesus disse: 6“Vós admirais estas coisas? Dias virão em que não ficará pedra sobre pedra. Tudo será destruído”. 7Mas eles perguntaram: “Mestre, quando acontecerá isto? E qual vai ser o sinal de que estas coisas estão para acontecer?” 8Jesus respondeu: “Cuidado para não serdes enganados, porque muitos virão em meu nome, dizendo: ‘Sou eu!’ E ainda: ‘O tempo está próximo’. Não sigais essa gente! 9Quando ouvirdes falar de guerras e revoluções, não fiqueis apavorados. É preciso que estas coisas aconteçam primeiro, mas não será logo o fim”. 10E Jesus continuou: “Um povo se levantará contra outro povo, um país atacará outro país. 11Haverá grandes terremotos, fomes e pestes em muitos lugares; acontecerão coisas pavorosas e grandes sinais serão vistos no céu”.

Sobre as Oferendas

Recebei, Pai santo, as oferendas que vos apresentamos, venerando a paixão dos santos mártires vietnamitas, para que, entre as dificuldades desta vida, possamos ser achados sempre fiéis a vós e apresentados como hóstia agradável. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão

Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos céus. (Mt 5, 10)

Depois da Comunhão

Na comemoração dos vossos santos mártires, vós nos alimentastes, ó Pai, com o mesmo pão; dai-nos permanecer unidos no vosso amor e receber o prêmio eterno da nossa paciência. Por Cristo, nosso Senhor.

Homilia do dia 24/11/2020
Exorcizemos o medo de nossa vida

“Cuidado para não serdes enganados, porque muitos virão em meu nome, dizendo: ‘Sou eu!’ E ainda: ‘O tempo está próximo’. Não sigais essa gente! Quando ouvirdes falar de guerras e revoluções, não fiqueis apavorados” (Lucas 21,8-9).

Tudo que o Mestre Jesus quer é que não sejamos enganados e iludidos. Porque as propagandas iludem, enganam, seduzem, inclusive as propagandas religiosas. Aliás, tantas coisas que recebemos na porta da nossa casa, que recebemos agora por meio das redes sociais. Quando não é um apelo para a vida fácil, para as acomodações, para as vantagens da vida, é um apelo para o medo, ou seja, conquistar as pessoas pelo medo; medo de guerras, de calamidades, medo do castigo.

O Reino de Deus não se conquista ou não somos conquistados pelo medo, somos conquistados pelo amor que Deus tem por cada um de nós, por isso, temos que ter cuidado para não sermos enganados, mas também para não enganarmos os outros, para não colocarmos pavor, terror e medo no coração das pessoas.


Não sejamos refém de qualquer espécie de medo, inclusive do medo religioso

Quando ouvimos falar de guerras, de revoluções e - não há novidade nenhuma - desde que sou gente, ouço falar de guerras para todos os lados. Sim, elas estão acontecendo; guerras em nós, guerras maiores, revoluções, mudanças e transformações no mundo.

Não podemos ficar apavorados. O pavor é para quem não conhece o Senhor, o terror é para o coração que não se voltou para Deus. Não é por causa das coisas trágicas que estão acontecendo no mundo que me volto para Deus. Volto-me para Deus porque seu amor me conquistou, volto-me para Deus porque tenho sede d’Ele, tenho necessidade de ser salvo, de ser resgatado e liberto pelo Seu amor e Sua misericórdia.

Não façamos a religião do drama, do pavor e do pânico. Há aqueles que querem pregar, inclusive no meio de nós, o terror a todo custo, o medo a qualquer preço porque corações apavorados e medrosos são mais fáceis de manter refém.

Não sejamos refém de qualquer espécie de medo, inclusive do medo religioso. É preciso exorcizá-lo, o que nós precisamos ter com Deus é uma relação de fé, de confiança e esperança. Em meio a um mundo onde não fechamos os olhos para os desastres, para os acontecimentos trágicos, enquanto aqueles semeiam o desespero, o medo e o pavor, nós semeamos a fé, a esperança e a confiança em Deus.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo

Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco

A páscoa da Igreja

Assim como a Igreja não entrará na glória do Reino senão através de sua última Páscoa, conformando-se assim ao exemplo de sua Cabeça, também nós que somos membros de Cristo não entraremos na glória senão pela nossa própria conformação ao mistério pascal do Senhor, recebendo em nossa carne e espírito os sofrimentos salvíficos com que, pela cruz, Deus nos irá conduzir à ressurreição. Assista à homilia do Pe. Paulo Ricardo para esta terça-feira, dia 24 de novembro, e medite conosco mais uma página do santo Evangelho.




Santo do dia 24/11/2020

Santo André Dung-Lac e companheiros mártires

O Papa João Paulo II, em 1988, canonizou na verdade alguns, dos muitos ousados na fé, que se encontram entre o período de 1830 até 1870.

O Vietnã conheceu a Boa-nova de Jesus Cristo no século XVI, e o acolheu em sua integridade: "Então, entregar-vos-ão à aflição, matar-vos-ão, sereis odiados por todos os pagãos por causa do meu nome...mas quem perseverar até o fim, este será salvo". (Mt 24,9-13)

Santo André Dung-Lac era de família pobre, reconheceu a riqueza do Dom Sacerdotal e foi ordenado Padre em 1823; em meio às perseguições desejava ardentemente testemunhar Jesus Cristo com o martírio, pois dizia que "aqueles que morrem pela fé sobem ao céu".

Na Ásia, iniciou-se grande perseguição aos cristãos. De 1625 a 1886, os governantes tudo fizeram para despertar o ódio e a vingança contra a religião cristã e àqueles que anunciavam o Evangelho ou tornavam-se cristãos. Mas, quanto mais os perseguiam, mais aumentava o fervor dos cristãos. Esse período culminou com a morte de 117 santos: Sacerdotes, Bispos, pais de famílias, jovens, crianças, catequistas, seminaristas, militares. Todos estes mostrando a universalidade do chamado à Santidade com o próprio sangue.

Santo André Dung-Lac e companheiros mártires, rogai por nós!