Primeira Leitura (Esd 9,5-9)


Leitura do Livro de Esdras.

5Na hora da oblação da tarde, eu, Esdras, levantei-me da minha prostração. E, com as vestes e o manto rasgados, caí de joelhos, estendi as mãos para o Senhor, meu Deus. 6E disse: “Meu Deus, estou coberto de vergonha e confusão ao levantar a minha face para ti, porque nossas iniquidades multiplicaram-se acima de nossas cabeças e nossas faltas se acumularam até o céu. 7Desde os tempos de nossos pais até este dia, uma grande culpa pesa sobre nós: por causa de nossas iniquidades, nós, nossos reis e nossos sacerdotes, fomos entregues às mãos dos reis estrangeiros, à espada, ao cativeiro, à pilhagem e à vergonha, como acontece ainda hoje.

8Mas agora, por um breve instante, o Senhor nosso Deus concedeu-nos a graça de preservar dentre nós um resto, e de permitir que nos fixemos em seu lugar santo. Assim o nosso Deus deu brilho aos nossos olhos e concedeu-nos um pouco de vida no meio de nossa servidão. 9Pois éramos escravos, mas em nossa servidão o nosso Deus não nos abandonou. Antes, conseguiu para nós o favor dos reis da Pérsia, deu-nos bastante vida para podermos reconstruir o templo de nosso Deus e restaurar suas ruínas, e concedeu-nos um abrigo seguro em Judá e em Jerusalém.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Responsório (Tb 13,2-8)


— Bendito seja Deus que vive eternamente!

— Bendito seja Deus que vive eternamente!

— Vós sois grande, Senhor, para sempre, e vosso reino se estende nos séculos! Porque vós castigais e salvais, fazeis descer aos abismos da terra, e de lá nos trazeis novamente: de vossa mão nada pode escapar.

— Vós que sois de Israel, dai-lhe graças e por entre as nações celebrai-o! O Senhor dispersou-vos na terra para narrardes sua glória entre os povos, e fazê-los saber, para sempre, que não há outro Deus além dele.

— Castigou-nos por nossos pecados, seu amor haverá de salvar-nos. Compreendei o que fez para nós, dai-lhe graças com todo o respeito!

— Bendizei o Senhor, seus eleitos, fazei festa e alegres louvai-o!


Evangelho (Lc 9,1-6)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1Jesus convocou os Doze, deu-lhes poder e autoridade sobre todos os demônios e para curar doenças, 2e enviou-os a proclamar o Reino de Deus e a curar os enfermos. 3E disse-lhes: “Não leveis nada para o caminho: nem cajado nem sacola nem pão nem dinheiro nem mesmo duas túnicas. 4Em qualquer casa onde entrardes, ficai aí; e daí é que partireis de novo. 5Todos aqueles que não vos acolherem, ao sairdes daquela cidade, sacudi a poeira dos vossos pés, como protesto contra eles”. 6Os discípulos partiram e percorriam os povoados, anunciando a Boa Nova e fazendo curas em todos os lugares.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Resgatemos a autoridade de Deus em nossa vida

Jesus convocou os Doze, deu-lhes poder e autoridade sobre todos os demônios e para curar doenças, e enviou-os a proclamar o Reino de Deus e a curar os enfermos” (Lucas 9,1).

O Reino de Deus está no meio de nós, por isso Jesus está nos convocando. Para que o Senhor nos convoca? Para nos dar poder e autoridade. Essas duas palavras são usadas no mundo, e o mundo as transformou no sentido mais perverso que elas possam traduzir.

Para alguns, poder é mandar nos outros, é estar acima dos outros, é mandar e desmandar. Do poder nasce o autoritarismo, do poder mal concebido nascem as desordens, e a autoridade deveria ser o exemplo moral e ético para nós. O que falta, muitas vezes, é a autoridade do exemplo, autoridade de fazer acontecer.

Jesus está nos dando o verdadeiro poder e a verdadeira autoridade, primeiro poder sobre os espíritos malignos, poder sobre os demônios, porque eles são perversos, são aqueles que geram as confusões.


É hora de resgatar o verdadeiro poder e a autoridade de Deus em nossa vida

Os demônios são aqueles que nos colocam uns contra os outros, colocam em desordem a nossa própria vida espiritual. Muitas vezes, deixamo-nos mover pelos demônios e deixamos que eles causem desordem dentro de nós.

Se temos que ter algum poder, não é sobre a vida dos outros, pois, verdadeiramente, tem o poder de Deus aquele que O deixa agir na sua vida, transformando-a, mudando a própria vida pessoal, permitindo que tantas forças que agem dentro de nós sejam conduzidas pela autoridade divina.

Olhemos para o nosso temperamento. Quando o nosso temperamento se torna grosseiro e duro, temos de ter autoridade sobre ele, sobre as nossas emoções, porque, senão, nos tornamos pessoas descontroladas.

Quem não consegue ter autoridade sobre a sua própria boca terá autoridade sobre o quê? Quem fala tudo o que vem à cabeça e não controla aquilo que sai da sua própria boca, o que vai conseguir controlar?

Muitos pais estão perdendo a autoridade sobre os seus próprios filhos, porque não exercem a autoridade sobre si mesmo. A primeira autoridade que temos de exercer é sobre a nossa vida.

Temos de ter autoridade sobre aquilo que sai de nós, não podemos deixar a nossa boca falar tudo que tem vontade. Se não conseguirmos nem conter os palavrões, as palavras pesadas, as palavras autoritárias, as palavras de maldição, que poder a nossa palavra terá na vida dos outros? Poder negativo, poder de influenciar mal, por isso é hora de resgatar o verdadeiro poder e a autoridade de Deus em nossa vida.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Por que os sacerdotes têm autoridade?
Têm os sacerdotes uma dupla missão: enquanto convocados especialmente por Cristo, devem eles, primeiro que os outros, ser santos a exemplo e por graça de Nosso Senhor; enquanto são por Ele enviados, hão de envidar todos os esforços para fazer santos aos demais. E é apenas na medida em que cumprirem bem a primeira que poderão levar a cabo a segunda missão, porque só tem verdadeira autoridade para pregar o Evangelho quem antes o vive e o mete nas veias, como sangue novo e fonte de santificação para si e para todo o povo de Deus. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta quarta-feira, 25 de setembro, e medite conosco mais uma página do santo Evangelho!



Santo do Dia:

São Sérgio, considerado o grande educador do povo russo

“Contemplando a Santíssima Trindade, vencer a odiosa divisão deste mundo”.

Esta frase reflete a alma contemplativa do santo de hoje, São Sérgio, considerado o “São Bento” da Rússia cristã. Na antiga Rússia o Cristianismo penetrou por volta do século IX, sendo Vlademiro, o primeiro príncipe a se converter ao Cristianismo, isto em 1010.

A religião do Cristo esteve sempre na Rússia, ligada mais ao Oriente do que a Roma. Monge Sérgio, tornou-se o grande evangelizador do século XIV, pois através de numerosos mosteiros irradiava a cultura e a verdadeira fé.

Após deixar o declínio da vida monástica na Rússia, Sérgio experimentou, com seu irmão, a construção numa floresta virgem de uma capela dedicada à Santíssima Trindade, devoção desconhecida naquele povo.

O irmão não aguentou, mas com firmeza e santidade, o santo de hoje atraiu a muitos até que edificaram um mosteiro em louvor a Santíssima Trindade.

Ordenado sacerdote para o melhor exercício da vocação de formar os monges na fundamental regra da oração e do trabalho, viveu São Sérgio: os “filhos”, a pobreza, a mansidão e total confiança na Divina Providência.

São Sérgio escreveu tanto que é considerado o grande educador nacional do povo russo. Faleceu com quase 80 anos de idade em 25 de setembro de 1392 no mosteiro da Santíssima Trindade.

São Sérgio, rogai por nós!