Primeira Leitura (Dn 3,25.34-43)


Leitura da Profecia de Daniel.

Naqueles dias, 25Azarias parou e, de pé, começou a rezar; abrindo a boca no meio do fogo, disse: 34“Oh! não nos desampares nunca, nós te pedimos, por teu nome, não desfaças tua aliança 35nem retires de nós tua benevolência, por Abraão, teu amigo, por Isaac, teu servo, e por Israel, teu Santo, 36aos quais prometeste multiplicar a descendência como estrelas do céu e como areia que está na beira do mar.

37Senhor, estamos hoje reduzidos ao menor de todos os povos, somos hoje o mais humilde em toda a terra, por causa de nossos pecados; 38neste tempo estamos sem chefes, sem profetas, sem guia, não há holocausto nem sacrifício, não há oblação nem incenso, não há um lugar para oferecermos em tua presença as primícias, e encontrarmos benevolência; 39mas, de alma contrita e em espírito de humildade, sejamos acolhidos, e como nos holocaustos de carneiros e touros 40e como nos sacrifícios de milhares de cordeiros gordos, assim se efetue hoje nosso sacrifício em tua presença, e tu faças com que te sigamos até o fim; não se sentirá frustrado quem põe em ti sua confiança.

41De agora em diante, queremos, de todo o coração, seguir-te, temer-te, buscar tua face; 42não nos deixes confundidos, mas trata-nos segundo a tua clemência e segundo a tua imensa misericórdia; 43liberta-nos com o poder de tuas maravilhas e torna teu nome glorificado, Senhor”.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Responsório (Sl 24)


— Recordai, Senhor, a vossa compaixão!

— Recordai, Senhor, a vossa compaixão!

— Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos, e fazei-me conhecer a vossa estrada! Vossa verdade me oriente e me conduza, porque sois o Deus da minha salvação.

— Recordai, Senhor meu Deus, vossa ternura e a vossa compaixão que são eternas! De mim lembrai-vos, porque sois misericórdia e sois bondade sem limites, ó Senhor!

— O Senhor é piedade e retidão, e reconduz ao bom caminho os pecadores. Ele dirige os humildes na justiça, e aos pobres ele ensina o seu caminho.



Evangelho (Mt 18,21-35)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 21Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou:

“Senhor, quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?”22Jesus respondeu: “Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete. 23Porque o Reino dos Céus é como um rei que resolveu acertar as contas com seus empregados. 24Quando começou o acerto, trouxeram-lhe um que lhe devia uma enorme fortuna. 25Como o empregado não tivesse com que pagar, o patrão mandou que fosse vendido como escravo, junto com a mulher e os filhos e tudo o que possuía, para que pagasse a dívida.

26O empregado, porém, caiu aos pés do patrão, e prostrado, suplicava: ‘Dá-me um prazo! e eu te pagarei tudo’. 27Diante disso, o patrão teve compaixão, soltou o empregado e perdoou-lhe a dívida.

28Ao sair dali, aquele empregado encontrou um dos seus companheiros que lhe devia apenas cem moedas. Ele o agarrou e começou a sufocá-lo, dizendo: ‘Paga o que me deves’. 29O companheiro, caindo aos seus pés, suplicava: ‘Dá-me um prazo! e eu te pagarei’. 30Mas o empregado não quis saber disso. Saiu e mandou jogá-lo na prisão, até que pagasse o que devia.

31Vendo o que havia acontecido, os outros empregados ficaram muito tristes, procuraram o patrão e lhe contaram tudo. 32Então o patrão mandou chamá-lo e lhe disse: ‘Empregado perverso, eu te perdoei toda a tua dívida, porque tu me suplicaste. 33Não devias tu também, ter compaixão do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?’ 34O patrão indignou-se e mandou entregar aquele empregado aos torturadores, até que pagasse toda a sua dívida.

35É assim que o meu Pai que está nos céus fará convosco, se cada um não perdoar de coração ao seu irmão”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Vivamos o perdão autêntico na nossa vida

Deus nos coloca no prumo do perdão, e experimentamos um revigorar da alma e do coração

“'Senhor, quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?’ Jesus respondeu: 'Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete'” (Mateus 18, 21-22).

A pergunta que Pedro dirigiu a Jesus é a pergunta do íntimo da nossa alma: “Quantas vezes eu devo perdoar o meu irmão?”. Se levarmos em conta a nossa natureza frágil, pecadora, magoada, ressentida e ofendida, nem sete vezes conseguiremos perdoar o próximo.

Estamos nos tornando, cada vez mais, seres feridos e machucados; e isso também condiciona a nossa capacidade de amar e perdoar. O perdão é fruto do amor, e só quem ama perdoa. No entanto, não é quem ama com aquele amor egoísta, aquele amor focado em si, mas sim quem ama com o amor que vem de Deus e do coração d’Ele, porque é esse amor que primeiro nos perdoa, é esse amor de forma infinita, sem ter conta.

Você consegue contar quantas vezes Deus lhe perdoa? Você consegue ter a dimensão de quantas vezes o perdão de Deus está o socorrendo e libertando?

Se experimentarmos esse perdão, se formos conduzidos por essa misericórdia, se esse amor divino em nós agir plenamente, é com ele que perdoaremos o nosso irmão quando ele pecar contra nós.

Se fomos ofendidos uma vez, duas vezes, três vezes, faço conta de querer crescer no amor, de querer ser um homem saudável, de ser uma pessoa sadia.

A vida sadia está no amor e no perdão. Queremos cuidar de nós e tomamos remédio, cuidamos da nossa alimentação, fazemos exercícios. Isso é muito bom e necessário para o nosso físico e interior! Mas tudo isso, sem amor e perdão, nos deixam cada vez mais feridos e machucados.

Deus quer cuidar das nossas feridas, Ele quer cuidar daquilo que, dentro de nós, está tão machucado por tudo que vivemos neste mundo. Perdoe com perdão de Deus, perdoe com a graça divina, e se parecer difícil perdoar, é sinal de que está difícil a relação com Deus.

Cresçamos na relação e na intimidade com Deus e não ignoremos a condução e a direção que Ele dá para a nossa vida.

Quando paramos para orar em espírito e verdade, não vamos lá só para pedir isso e aquilo. Paramos para escutar Deus, e Ele fala no nosso coração, Ele fala na intimidade que precisamos perdoar. Às vezes, o nosso coração quer desviar o foco, não quer pensar naquele assunto, mas nos deixamos conduzir por Deus, e Ele diz: “É essa pessoa. Comece orando por ela, comece aceitando-a”. Então, vamos aceitando, e quando vemos, com a graça de Deus e não simplesmente com as nossas forças humanas, Ele nos coloca no prumo do perdão, e experimentamos um revigorar da alma e do coração.

Experimente viver o perdão autêntico na sua vida! O Céu se aproxima de nós e nos aproximamos do Céu. Quando nos fechamos nas nossas mágoas e em nossos ressentimentos, distanciamo-nos do Céu.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
fb.com/rogeraraujo.cn

Santo do Dia:

São Bráulio, bispo em Saragoça

O santo de hoje, foi bispo de 631 a 651.

Nasceu em uma família muito sensível à vontade do Senhor: uma irmã foi para a vida religiosa e tornou-se abadessa. Outro irmão foi para uma Abadia e outro, chegou a bispo.

Depois de entrar para uma vida de oração e contemplação numa abadia, Bráulio conheceu em Sevilha Santo Isidoro, escritor e santo.

Fecundo escritor e grande pastor, São Bráulio foi escolhido para bispo em Saragoça, participando ativamente em três Concílios de Toledo.

São Bráulio, rogai por nós!