Primeira Leitura (Dn 2,31-45)


Leitura da Profecia de Daniel.

Naqueles dias, disse Daniel a Nabucodonosor: 31“Tu, ó rei, olhavas, e pareceu-te ver uma estátua grande, muito alta, erguida à tua frente, de aspecto aterrador. 32A cabeça da estátua era de ouro fino, peito e braços eram de prata, ventre e coxas, de bronze; 33sendo as pernas de ferro, e os pés, parte de ferro e parte de barro. 34Estavas olhando, quando uma pedra, sem ser empurrada por ninguém, se desprendeu de algum lugar, e veio bater na estátua, em seus pés de ferro e barro, fazendo-os em pedaços; 35então, a um só tempo, despedaçaram-se ferro, barro, bronze, prata e ouro, tudo ficando como a palha miúda das eiras, no verão, que o vento varre sem deixar vestígios; mas a pedra que atingira a estátua transformou-se num grande monte e encheu toda a terra.

36Este foi o sonho; vou dar também a interpretação, ó rei, em tua presença. 37Tu és um grande rei, e o Deus do céu te deu a realeza, o poder, a autoridade e a glória; 38ele entregou em tuas mãos os filhos dos homens, os animais do campo e as aves do céu, onde quer que habitem, e te constituiu senhor de todos eles: tu és a cabeça de ouro. 39Depois de ti, surgirá outro reino, que é inferior ao teu, e ainda um terceiro, que será de bronze, e dominará toda a terra. 40O quarto reino será forte como o ferro; e assim como o ferro tudo esmaga e domina, do mesmo modo, à semelhança do ferro, ele esmagará e destruirá todos aqueles reinos. 41Viste os pés e dedos dos pés, parte de barro e parte de ferro, porque o reino será dividido; terá a força do ferro, conforme viste o ferro misturado com barro cozido. 42Viste também que os dedos dos pés eram parte de ferro e parte de barro, porque o reino em parte será sólido e em parte quebradiço.

43Quanto ao ferro misturado com barro cozido, haverá decerto ligações por via de casamentos, mas sem coesão entre as partes, assim como o ferro não faz liga com o barro. 44No tempo desses reinos, o Deus do céu suscitará um reino que nunca será destruído, um reino que não passará a outro povo; antes, esmagará e aniquilará todos esses reinos, e ele permanecerá para sempre. 45Quanto à pedra que, sem ser tocada por mãos, se desprendeu do monte e despedaçou o barro cozido, o ferro, o bronze, a prata e o ouro, o grande Deus faz saber ao rei o que acontecerá depois, no futuro. O sonho é verdadeiro, e sua interpretação, fiel”.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Responsório (Dn 3,57s.)


— Louvai-o e exaltai-o pelos séculos sem fim!

— Louvai-o e exaltai-o pelos séculos sem fim!

— Obras do Senhor, bendizei o Senhor!

— Céus do Senhor, bendizei o Senhor!

— Anjos do Senhor, bendizei o Senhor!

— Águas do alto céu, bendizei o Senhor!

— Potências do Senhor, bendizei o Senhor!


Evangelho (Lc 21,5-11)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 5algumas pessoas comentavam a respeito do Templo que era enfeitado com belas pedras e com ofertas votivas. Jesus disse: 6“Vós admirais estas coisas? Dias virão em que não ficará pedra sobre pedra. Tudo será destruído”. 7Mas eles perguntaram: “Mestre, quando acontecerá isto? E qual vai ser o sinal de que estas coisas estão para acontecer?” 8Jesus respondeu: “Cuidado para não serdes enganados, porque muitos virão em meu nome, dizendo: ‘Sou eu!’ E ainda: ‘O tempo está próximo’. Não sigais essa gente! 9Quando ouvirdes falar de guerras e revoluções, não fiqueis apavorados. É preciso que estas coisas aconteçam primeiro, mas não será logo o fim”. 10E Jesus continuou: “Um povo se levantará contra outro povo, um país atacará outro país. 11Haverá grandes terremotos, fomes e pestes em muitos lugares; acontecerão coisas pavorosas e grandes sinais serão vistos no céu”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Os seguidores de Jesus semeiam a esperança

Cuidado para não serdes enganados, porque muitos virão em meu nome, dizendo: ‘Sou eu!’ E ainda: ‘O tempo está próximo’. Não sigais essa gente!” (Lucas 21,8).

É um alerta de Jesus para todos nós, não adianta falar em nome d’Ele, não adianta vir em nome d'Ele, não adianta pregar catástrofes, apocalipses e tantas outras coisas para gerar medo, pânico e pavor.

“Não sigais essa gente”, é muito importante o que o Senhor está nos dizendo, porque quando vemos coisas pavorosas acontecendo no mundo, o Espírito do temor e do medo, muitas vezes, tomam conta de nós.

Muitos querem se aproveitar do medo, das temeridades, das calamidades do mundo para criar a religião do medo e os profetas dos terrores, que semeiam temores estão por aí semeando apocalipses, desgraças e terrores. Eu digo a você como disse Jesus: “Não sigais essa gente!”.


Somos semeadores da esperança, da fé e da confiança naquele Deus que cuida de nós

Os seguidores de Jesus são aqueles que semeiam a esperança e a confiança, mesmo em meio aos desastres, às tragédias, às coisas negativas que aconteceram, acontecem e acontecerão na história da humanidade.

Não somos construtores de desgraças, somos semeadores da esperança, da fé e da confiança naquele Deus que cuida de nós. Somos aqueles que não tiram o olhar de Jesus e não podemos nos enganar por muitos que falam em nome d’Ele, por muitos que se colocam no lugar d’Ele, falam bonito, têm uma boa retórica, usam argumentos, muitas vezes, até bíblicos para instigarem, convencerem, mas, acima de tudo, engarem e iludirem.

A religião de Jesus não é a religião do medo, mas da confiança, da esperança e da certeza que há um Deus que cuida de nós. Não nos voltamos para Deus com medo do castigo, voltamo-nos para Ele por causa do amor que Ele tem por nós, e a verdade é que sem Seu amor nós caímos no desespero, sucumbimos diante das tragédias, o nosso coração fica atribulado, atemorizado e passamos por tantas situações complicadas.

Quando colocamos no Senhor a nossa confiança e nossa esperança, não ouvimos todos aqueles que vem “em nome do Senhor” gerar desespero, medo e tragédia no meio de nós. Estão nos meios de comunicação, nas ruas, nas praças, nos folhetos, nos panfletos semeando muitas coisas que não é aquilo que Jesus ensinou e pregou. Por isso, tenhamos os olhos fixos em Jesus e não permitamos ser enganados e iludidos por ninguém.

Que venha em nome de Jesus, no lugar de Jesus ou falar d’Ele a partir do medo, do terror e do pânico. Os seguidores de Jesus seguem Ele no amor, na confiança e na esperança.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


O que são os sinais dos tempos?

À medida que se aproxima o final do ano litúrgico, a Igreja nos vai pondo diante dos olhos, com insistência crescente, os mistérios que rodeiam o Fim dos Tempos: guerras e revoluções, terremotos e carestias, tudo isso prenuncia a chegada do Juízo, mas nada disso constitui, por si só, o final da história. Como entender estes sinais, aparentemente tão sombrios e desalentadores, e o que têm eles a nos dizer agora, neste tempo em que ainda vivemos na esperança do retorno de Cristo? Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta terça-feira, dia 26 de novembro, e acompanhe-nos nesta meditação sobre os sinais dos tempos.





Santo do Dia:

São Leonardo de Porto Maurício, amante da pobreza

Lembramos hoje a santidade do sacerdote que, pela sua vida e missão, mereceu ser constituído pelo Papa Pio XI, como Patrono dos sacerdotes que, em qualquer parte da terra, se consagram às missões populares católicas.

São Leonardo, o grande missionário do século XVIII, como lhe chamou Santo Afonso Maria de Ligório, nasceu em Porto Maurício, perto de Gênova, Itália, a 20 de dezembro de 1676. Aconteceu que Leonardo perdeu muito cedo sua mãe, tendo sido criado e educado pelo seu tio. Encontrou cedo sua vocação ao Sacerdócio, por isso, ao renunciar a si mesmo, foi para Roma formar-se no Colégio da Companhia de Jesus. Por causa da sua inocência e sólida virtude, conquistou a simpatia e a alta consideração de seus superiores, que nele viam outro angélico Luís Gonzaga. Entrou para a Ordem Franciscana, no Convento de São Boaventura, e com 26 anos já era Padre.

Começou a vivenciar toda a riqueza do Evangelho e a radicalidade típica dos imitadores de Francisco, por isso ocupou posições cada vez maiores no serviço à Ordem, à Igreja e para com todos. Devoto da Virgem Maria, que lhe salvou a vida num tempo de incurável doença (tuberculose), São Leonardo de Porto Maurício era devotíssimo do Sagrado Coração de Jesus na forma da adoração ao Jesus Eucarístico.

Foi, no século XVIII, o grande apóstolo do santo exercício da Via-Sacra. Era um grande amante da pobreza radical e franciscana. Toda a vida, penitências e orações de São Leonardo convergiam para a salvação das almas. Era tal a unção, a caridade ardente e o entusiasmo que repassava em suas pregações, que o célebre orador Bapherini, encanecido já no exercício da palavra, sendo enviado por Clemente XII a ouvir os sermões de Leonardo para depois o informar a este respeito, desempenhou-se da sua missão dizendo “que nunca ouvira pregador mais arrebatador, que o efeito de seus discursos era irresistível, que ele próprio não pudera reter as lágrimas”. São Leonardo era digno sucessor de Santo Antônio de Lisboa, de São Bernardino de Sena e de São João Capistrano.

O próprio Pontífice Bento XIV quis ouvir o famoso missionário, e para isso chamou-o a Roma, em 1749, a fim de preparar os fiéis para o Ano Santo. Depois de derramar-se por Deus e pelos outros, São Leonardo de Porto Maurício, não se tornou mártir, como tão desejava, mas deu toda sua vida no dia-a-dia até adoecer e entrar no Céu a 26 de novembro de 1751, no Convento de São Boaventura, em Roma, onde, 54 anos antes, se consagrara ao Senhor sob o burel de São Francisco. Não se limitou apenas à pregação o ilustre missionário de Porto Maurício; deixou também vasta coleção de escritos, publicados a princípio isoladamente, e reunidos depois numa grande edição, que prolonga no futuro a sua prodigiosa ação missionária, não apenas dentro das fronteiras da Itália, mas cujo âmbito é todo o mundo civilizado, pelas traduções feitas em quase todas as línguas cultas. Estes escritos constituem, em geral, um rico tesouro de verdades ascéticas e ensinamentos morais e homiléticos.

São Leonardo de Porto Maurício, rogai por nós!