Primeira Leitura (Sb 2,1a.12-22)


Leitura do Livro da Sabedoria.

1aDizem entre si os ímpios, em seus falsos raciocínios: 12“Armemos ciladas ao justo, porque sua presença nos incomoda: ele se opõe ao nosso modo de agir, repreende em nós as transgressões da lei e nos reprova as faltas contra a nossa disciplina.

13Ele declara possuir o conhecimento de Deus e chama-se ‘filho de Deus’. 14Tornou-se uma censura aos nossos pensamentos e só o vê-lo nos é insuportável; 15sua vida é muito diferente da dos outros, e seus caminhos são imutáveis.

16Somos comparados por ele à moeda falsa e foge de nossos caminhos como de impurezas; proclama feliz a sorte final dos justos e gloria-se de ter a Deus por pai. 17Vejamos, pois, se é verdade o que ele diz, e comprovaremos o que vai acontecer com ele. 18Se, de fato, o justo é ‘filho de Deus’, Deus o defenderá e o livrará das mãos dos seus inimigos. 19Vamos pô-lo à prova com ofensas e torturas, para ver a sua serenidade e provar a sua paciência; 20vamos condená-lo à morte vergonhosa, porque, de acordo com suas palavras, virá alguém em seu socorro”.

21Tais são os pensamentos dos ímpios, mas enganam-se; pois a malícia os torna cegos, 22não conhecem os segredos de Deus, não esperam recompensa para a santidade e não dão valor ao prêmio reservado às vidas puras.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 33)


— Do coração atribulado está perto o Senhor.

— Do coração atribulado está perto o Senhor.

— O Senhor volta a sua face contra os maus, para da terra apagar sua lembrança. Clamam os justos, e o Senhor bondoso escuta e de todas as angústias os liberta.

— Do coração atribulado ele está perto e conforta os de espírito abatido. Muitos males se abatem sobre os justos, mas o Senhor de todos eles os liberta.

— Mesmo os seus ossos ele os guarda e os protege, e nenhum deles haverá de se quebrar. Mas o Senhor liberta a vida dos seus servos, e castigado não será quem nele espera.


Evangelho (Jo 7,1-2.10.25-30)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo João. 

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1Jesus andava percorrendo a Galileia. Evitava andar pela Judeia, porque os judeus procuravam matá-lo. 2Entretanto, aproximava-se a festa judaica das Tendas. 10Quando seus irmãos já tinham subido, então também ele subiu para a festa, não publicamente mas sim como que às escondidas.

25Alguns habitantes de Jerusalém disseram então: “Não é este a quem procuram matar? 26Eis que fala em público e nada lhe dizem. Será que, na verdade, as autoridades reconheceram que ele é o Messias? 27Mas este, nós sabemos donde é. O Cristo, quando vier, ninguém saberá donde é”.

28Em alta voz, Jesus ensinava no Templo, dizendo: “Vós me conheceis e sabeis de onde sou; eu não vim por mim mesmo, mas o que me enviou é fidedigno. A esse, não o conheceis, 29mas eu o conheço, porque venho da parte dele, e ele foi quem me enviou”. 30Então, queriam prendê-lo, mas ninguém pôs a mão nele, porque ainda não tinha chegado a sua hora.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Jesus veio nos trazer o Reino dos Céus

“Em alta voz, Jesus ensinava no Templo, dizendo: ‘Vós me conheceis e sabeis de onde sou; eu não vim por mim mesmo, mas o que me enviou é fidedigno’” (João 7,28).

Mesmo não sendo acolhido, aceito nem amado, Jesus ensinava, pregava, exortava e cumpria a Sua missão de trazer o Reino de Deus e anunciar Sua Palavra aos corações.

Jesus não veio buscar o acolhimento nem os aplausos humanos, Ele veio nos trazer o Reino dos Céus. Mesmo que você não acolha nem abra o seu coração, mesmo que você coloque obstáculos ou dificuldades, Jesus não vai deixar de nos dizer, em alta voz, que nos convertamos, que mudemos a nossa vida e permitamos que a Sua Palavra mude a direção e o sentido do nosso viver.

Abramos o nosso coração para que nele penetre a Palavra do Senhor. Abramos o coração para acolher Jesus, o Divino Salvador. Não caíamos no perigoso caminho da hipocrisia religiosa, de acharmos que sermos pessoas religiosas nos coloca na presença de Deus. O que nos coloca na presença d'Ele é sermos verdadeiros acolhedores do Mestre Jesus, é nos deixarmos ser corrigidos, formados, ensinados e orientados por  Ele.


Jesus não veio buscar o acolhimento nem os aplausos humanos, Ele veio nos trazer o Reino dos Céus

Sei que, por aí, basta receber um diploma para ser considerado um doutor, um profissional nisso e naquilo. Não há diploma para entrar no Reino dos Céus. Não é porque você recebeu os sacramentos, que pode pensar: “Eu sou crismado. Fiz Primeira Comunhão. Estou na Igreja há tanto tempo! Sou ministro da Sagrada Eucaristia”. Isso não diz nada! Os nossos títulos humanos, eclesiásticos ou divinos não dizem nada. O que diz é sermos seguidores de Jesus, é sermos ensinados, sermos acolhedores ao que Ele, de fato, realiza em nós.

Queriam prender Jesus, queriam colocar a mão n’Ele para impedi-Lo de pregar. Ninguém pode impedi-Lo de pregar, porque, mesmo morto, Ele está pregando, ensinando e ressuscitando. Ninguém mais O contém. Não podemos conter a ação salvadora de Deus entre nós.

Deus abençoe você!   

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Só Cristo nos revela o rosto de Deus

De Moisés até o Batista, temos as promessas, as imagens, os reflexos opacos de um mistério que Deus descobre cobrindo-o, porque ninguém o podia ver, com sua mão. Em Cristo, temos o cumprimento, a realidade, a luz de um mistério que Deus descobre cobrindo-o, para não nos cegar, com sua humanidade. No Antigo Testamento, Deus se deu a conhecer, mas de tal modo que não fosse conhecido. No Novo, Ele se deu a conhecer, mas de tal modo que não o possamos conhecer senão por meio de Cristo. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta sexta-feira, dia 27 de março, e medite conosco mais uma página do santo Evangelho.





Santo do Dia:

São Ruperto, grande apóstolo da Baviera

O santo de hoje foi um grande apóstolo da Baviera, Alemanha. A pedido do rei, foi convidado a evangelizar a França, e fez este belo trabalho. Após ser eleito bispo, a corte da Baviera o chamou, convidando-o também a evangelizar aquelas terras. Juntamente com o apoio do rei pôde ter o apoio de muitos religiosos, inclusive de sua irmã, que também era consagrada.

São Ruperto evangelizou a muitos, fazendo a Boa Nova chegar às altas autoridades, ao ponto do sucessor do rei já ser evangelizado. Antes de sua última Santa Missa, sua irmã ouviu sua oração de entrega: “Pai, em Tuas mãos eu entrego o meu espírito”. Em toda sua vida, e também na morte, viveu entregue a Deus.

São Ruperto, rogai por nós!