Primeira Leitura (Jr 11,18-20)


Leitura do Livro do Profeta Jeremias.

18Senhor, avisaste-me e eu entendi; fizeste-me saber as intrigas deles. 19Eu era como manso cordeiro levado ao sacrifício, e não sabia que tramavam contra mim: “Vamos cortar a árvore em toda a sua força, eliminá-lo do mundo dos vivos, para seu nome não ser mais lembrado”.

20E tu, Senhor dos exércitos, que julgas com justiça e perscrutas os afetos do coração, concede que eu veja a vingança que tomarás contra eles, pois eu te confiei a minha causa.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 7)


— Senhor meu Deus, em vós procuro o meu refúgio.

— Senhor meu Deus, em vós procuro o meu refúgio.

— Senhor meu Deus, em vós procuro o meu refúgio: vinde salvar-me do inimigo, libertai-me! Não aconteça que agarrem minha vida como um leão que despedaça a sua presa, sem que ninguém venha salvar-me e libertar-me!

— Julgai-me, Senhor Deus, como eu mereço e segundo a inocência que há em mim! Ponde um fim à iniquidade dos perversos, e confirmai o vosso justo, ó Deus-Justiça, vós que sondais os nossos rins e corações.

— O Deus vivo é um escudo protetor, e salva aqueles que têm reto coração. Deus é juiz, e ele julga com justiça, mas é um Deus que ameaça cada dia.


Evangelho (Jo 7,40-53)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo João. 

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 40ao ouvirem as palavras de Jesus, algumas pessoas diziam: “Este é, verdadeiramente, o Profeta”. 41Outros diziam: “Ele é o Messias”. Mas alguns objetavam: “Porventura o Messias virá da Galileia? 42Não diz a Escritura que o Messias será da descendência de Davi e virá de Belém, povoado de onde era Davi?” 43Assim, houve divisão no meio do povo por causa de Jesus. 44Alguns queriam prendê-lo, mas ninguém pôs as mãos nele. 45Então, os guardas do Templo voltaram para os sumos sacerdotes e os fariseus, e estes lhes perguntaram: “Por que não o trouxestes?”

46Os guardas responderam: “Ninguém jamais falou como este homem”. 47Então os fariseus disseram-lhes: “Também vós vos deixastes enganar? 48Por acaso algum dos chefes ou dos fariseus acreditou nele? 49Mas esta gente que não conhece a Lei, é maldita!”

50Nicodemos, porém, um dos fariseus, aquele que se tinha encontrado com Jesus anteriormente, disse: 51“Será que a nossa Lei julga alguém, antes de o ouvir e saber o que ele fez?” 52Eles responderam: “Também tu és galileu, porventura? Vai estudar e verás que da Galileia não surge profeta”. 53E cada um voltou para sua casa.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Conheçamos a verdade de Deus

“‘Por que não o trouxestes?’ Os guardas responderam: ‘Ninguém jamais falou como este homem’. Então, os fariseus disseram-lhes: ‘Também vós vos deixastes enganar? Por acaso algum dos chefes ou dos fariseus acreditou nele?’” (João 7,44-48).

Hoje, estamos acompanhando todas as controvérsias que se criaram em torno de Jesus. Na verdade, não era Jesus a controvérsia, mas sim acolher aquilo que trouxe Jesus, por isso, os homens começaram a discutir e debater, e os mais religiosos, como os fariseus e doutores da Lei, começaram a criar hostilidades, a fechar os cercos, a criar estruturas para prendê-Lo. Na verdade, eles queriam, a todo custo, colocar em descrédito a pessoa d’Ele.

Eles não conseguiram, porque ninguém falava com a autoridade de Jesus. Como disse o saldado: “Ninguém jamais falou e fez como este homem. Como vamos calá-Lo, repudiar a Sua voz? Como vamos desobedecer ao que Ele ensina, se ensina com autoridade?”.

Não basta falar, é preciso dizer com a autoridade da vida; não basta ensinar, é preciso ensinar com a vida aquilo que as palavras estão exclamando.

Jesus nos ensina a perfeita sintonia entre a prática e a Palavra, entre a vida e o que é ensinado. Por isso, Ele era contraditado, por isso aqueles que não queriam conhecer a verdade agiam com maldade e, movidos por uma profunda crueldade, queriam eliminar o Mestre Jesus.


Quem não se cala para ouvir a verdade cria a sua própria verdade; quem não se cala para ouvir Deus coloca-se no lugar d’Ele

Jesus é causa de contradições e disputas entre os homens. E por que os homens disputavam para matá-Lo? Porque não se calavam.

Quem não se cala para ouvir a verdade cria a sua própria verdade; quem não se cala para ouvir Deus, para colocar-se no lugar d’Ele, quem não se cala para deixar-se ser formado por Ele, forma-se como se fosse um deus, e quer que os outros pensem, falem, ajam de acordo com aquilo que ele crê, acredita e ensina.

Homens que se colocam no lugar de Deus contradizem Deus, criam, na verdade, ambientes de disputa, de briga, de acusações e contradições para gerar mal-estar na vida e nos relacionamentos humanos.

Como é importante olharmos para os tempos em que vivemos! Olhemos para tantos ambientes de nossas igrejas, de nossos grupos, divididos, acusando-se e colocando-se uns contra os outros.

Olhemos a metodologia do mundo! As disputas mundanas penetraram na casa de Deus; são homens religiosos brigando, são homens criando toda a atmosfera para as disputas e ofensas, como acontece nos nossos ambientes hoje.

Nas nossas redes sociais, criam-se os que são a favor e os que são contra; os que são conservadores, progressistas, e os que são a favor e os que são contra o Papa, mas, na verdade, isso não passa de pensamento humano, mundano, que invade o sentido da nossa fé.

Só pode falar de Deus quem se cala para deixá-Lo falar. Só pode falar de Deus quem silencia para deixa-Lo formar. Só pode falar de Deus quem é formado no cadinho da humildade do coração d'Ele. 

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


“Ninguém jamais falou como este homem”

Determina a sinagoga, sem outra razão que seu próprio entendimento da Escritura, que Jesus não pode ser o Cristo: “Porventura o Messias virá da Galileia?” Apelam o povo e o exército que é impossível que Ele não o seja, amparados na evidência do que viam e ouviam: “Ninguém jamais falou como este homem”. A conclusão deste processo, todos a conhecemos. Mas qual é a parte que nós havemos de tomar nele? Seremos a gente “maldita” que crê e é absolvida pelo réu? Ou os acusadores cegos, que se condenam por condenarem o único que os poderia defender? Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para este sábado, dia 28 de março, e medite conosco mais uma página do santo Evangelho.





Santo do Dia:

São Guntrano, governou na justiça

Guntrano teve muitos descaminhos, muitas opções erradas. Teve muitas mulheres e muitos filhos. Como todo ser humano buscou a felicidade, porém, em lugares errados.

Um homem social, político e de grande influência, mas com o coração inquieto e desejoso de algo maior. Deu toda sua herança para um sobrinho e se decidiu a viver uma radicalidade cristã, ou seja, viver o chamado à santidade. Então, Guntrano passou a ouvir a Palavra de Deus e a acolher os conselhos dos bispos. Governou na justiça, a partir dos bons conselhos recebidos.

Viveu a renúncia de si mesmo para abraçar a cruz e fazer a vontade de Deus. Faleceu com 68 anos, depois de consumir-se no amor a Deus e aos irmãos, sendo cristão na sociedade.

São Guntrano, rogai por nós!