Antífona de entrada

Os meninos inocentes foram mortos por causa do Cristo. Eles seguem o Cordeiro sem mancha, e cantam: Glória a ti, Senhor!

Oração do dia

Ó Deus, hoje os Santos Inocentes proclamaram vossa glória, não por palavras, mas pela própria morte; dai-nos também testemunhar com a nossa vida o que os nossos lábios professam. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
Diz-se o Glória.

Primeira Leitura (1Jo 1, 5–2, 2)


Leitura da Primeira Carta de São João


5Caríssimos, a mensagem, que ouvimos de Jesus Cristo e vos anunciamos, é esta: Deus é luz e nele não há trevas. 6Se dissermos que estamos em comunhão com ele, mas andamos nas trevas, estamos mentindo e não nos guiamos pela verdade. 7Mas, se andamos na luz, como ele está na luz, então estamos em comunhão uns com os outros, e o sangue de seu Filho Jesus nos purifica de todo pecado.

8Se dissermos que não temos pecado estamo-nos enganando a nós mesmos, e a verdade não está dentro de nós. 9Se reconhecermos nossos pecados, então Deus se mostra fiel e justo, para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda culpa. 10Se dissermos que nunca pecamos, fazemos dele um mentiroso e sua palavra não está dentro de nós. 2, 1Meus filhinhos, escrevo isto para que não pequeis. No entanto, se alguém pecar, temos junto do Pai um Defensor: Jesus Cristo, o Justo. 2Ele é a vítima de expiação pelos nossos pecados, e não só pelos nossos, mas também pelos pecados do mundo inteiro.

Salmo Responsorial (Sl 123)


R. Nossa alma como um pássaro escapou do laço que lhe armara o caçador.


— Se o Senhor não estivesse ao nosso lado, quando os homens investiram contra nós, com certeza nos teriam devorado no furor de sua ira contra nós. R.

— Então as águas nos teriam submergido, a correnteza nos teria arrastado, e então, por sobre nós teriam passado essas águas sempre mais impetuosas. R.

— O laço arrebentou-se de repente, e assim nós conseguimos libertar-nos. O nosso auxílio está no nome do Senhor, do Senhor que fez o céu e fez a terra. R.


Aclamação ao Evangelho

R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
V. A vós, ó Deus, louvamos, a vós, Senhor, cantamos; vos louva o exército dos vossos Santos mártires! R.

Evangelho (Mt 2, 13-18)


V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.


V. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Mateus 

R. Glória a vós, Senhor.


V. 13Depois que os magos partiram, o Anjo do Senhor apareceu em sonho a José e lhe disse: “Levanta-te, pega o menino e sua mãe e foge para o Egito! Fica lá até que eu te avise! Porque Herodes vai procurar o menino para matá-lo”. 14José levantou-se de noite, pegou o menino e sua mãe, e partiu para o Egito. 15Ali ficou até a morte de Herodes, para se cumprir o que o Senhor havia dito pelo profeta: “Do Egito chamei o meu Filho”. 16Quando Herodes percebeu que os magos o haviam enganado, ficou muito furioso. Mandou matar todos os meninos de Belém e de todo o território vizinho, de dois anos para baixo, exatamente conforme o tempo indicado pelos magos. 17Então se cumpriu o que foi dito pelo profeta Jeremias: 18“Ouviu-se um grito em Ramá, choro e grande lamento: é Raquel que chora seus filhos, e não quer ser consolada, porque eles não existem mais”.

Sobre as Oferendas

Recebei, ó Deus, nós vos pedimos, as oferendas do vosso povo, e purificai os que celebram com piedade os vossos mistérios, pelos quais concedeis a salvação mesmo àqueles que não vos conhecem. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão

Os meninos de Belém foram resgatados dentre os homens, primícias para Deus e para o Cordeiro, e o acompanham por toda parte. (Ap 14, 4)

Depois da Comunhão

Ó Deus, concedeis vossa copiosa salvação aos que se alimentam à vossa mesa, neste dia em que a Igreja celebra os mártires Inocentes que, não chegando a balbuciar o nome do vosso Filho, foram glorificados pela graça do seu nascimento. Por Cristo, nosso Senhor.

Homilia do dia 28/12/2020
Clamemos a Deus por nossas crianças

“Quando Herodes percebeu que os magos o haviam enganado, ficou muito furioso. Mandou matar todos os meninos de Belém e de todo o território vizinho, de dois anos para baixo, exatamente conforme o tempo indicado pelos magos” (Mateus 2,16).

Nas celebrações do Natal do Senhor, Jesus nos conduz para refletirmos sobre o valor e o significado único da vida humana, que é tão sagrada para Deus. É tão sagrada que Ele assume a vida humana, Ele assume vir resgatar a vida humana de todos os contravalores que atentam contra a vida. Não foi bem recebido por todos, tentaram matá-Lo, tirar a Sua vida desde o momento do Seu nascimento. José foi conduzido por Deus e, com Maria, fugiu para o Egito, para que essa criança escapasse da morte, porque Herodes queria matá-La. E para que Jesus não escapasse, Herodes mandou matar todas as crianças da redondeza, para que Jesus fosse encontrado e pudesse morrer também.

Para alguns, a Palavra de Deus é uma ameaça, para outros, a Palavra de Deus é uma insegurança, para tantos a Palavra é um verdadeiro incômodo. De uma forma ou de outra, tentam eliminar, condenar, tirar a Palavra de Deus do meio de nós.

É preciso refletir o sentido da vida, para tirar da boca dos Herodes dos nossos tempos a vida de tantas crianças inocentes

Jesus Palavra Viva é a Palavra que nos salva, mas Jesus Palavra Viva vive em cada vida humana. Assim como o Seu nascimento representou vida, mas as ameaças à vida, os "Herodes da vida" perseguiram e mataram crianças inocentes. Hoje, crianças inocentes estão sendo mortas por causa do aborto, por causa da fome, da miséria; crianças estão morrendo na prostituição, na perda do sentido da vida; crianças estão morrendo no seios de casas e famílias.

Toda vez que uma criança é violada, agredida, a morte está imperando ali. Celebrar, hoje, os Santos Inocentes é invocar a proteção de Deus e, ao mesmo tempo, o clamor pela da vida das nossas crianças, desde as que estão no ventre de suas mães àquelas que nasceram e são uma ameaça para viverem.

Não celebremos o Natal de Jesus apenas olhando as farturas de nossas mesas, celebremos a vida e o nascimento de Jesus sabendo que o Natal para muitos ainda é tristeza, ameaça e desgraça. O Natal para muitos ainda não é vida, por isso, hoje é preciso, mais do que nunca, refletir o sentido da vida para tirarmos da boca dos Herodes dos nossos tempos a vida de tantas crianças inocentes.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo

Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco

Festa dos Santos Inocentes, Mártires

Deus, como ensina a sã teologia, não é sob título algum causa do mal moral; mas daí não se segue que, em sua sapientíssima Providência, Ele não o possa permitir, respeitando a liberdade da criatura, e, por ocasião dele, produzir bens infinitamente maiores.Não vemos com clareza, enquanto peregrinamos neste mundo, que bens serão estes nem enxergamos às vezes que razões pode ter Deus para permitir certos males, mas temos certeza de que tudo, sem exceção, concorre para o bem dos que o amam.Assista à homilia do Pe. Paulo Ricardo para esta segunda-feira, dia 28 de dezembro, e que os Santos Inocentes, cujo sangue foi derramado pela fúria de Herodes, nos alcancem a graça de gozarmos um dia da paz dos justos no céu.




Santo do dia 28/12/2020

Os Santos Inocentes

A festa de hoje, instituída pelo Papa São Pio V, ajuda-nos a viver com profundidade este tempo da Oitava do Natal. Esta festa encontra o seu fundamento nas Sagradas Escrituras. Quando os Magos chegaram a Belém, guiados por uma estrela misteriosa, “encontraram o Menino com Maria e, prostrando-se, adoraram-No e, abrindo os seus tesouros, ofereceram-Lhe presentes - ouro, incenso e mirra. E, tendo recebido aviso em sonhos para não tornarem a Herodes, voltaram por outro caminho para a sua terra. Tendo eles partido, eis que um anjo do Senhor apareceu em sonhos a José e disse-lhe: ʽLevanta-te, toma o Menino e sua mãe e foge para o Egito, e fica lá até que eu te avise, porque Herodes vai procurar o Menino para o matarʼ. E ele, levantando-se de noite, tomou o Menino e sua mãe, e retirou-se para o Egito. E lá esteve até a morte de Herodes, cumprindo-se deste modo o que tinha sido dito pelo Senhor por meio do profeta, que disse: ʽDo Egito chamarei o meu filhoʼ. Então Herodes, vendo que tinha sido enganado pelos Magos, irou-se em extremo e mandou matar todos os meninos que havia em Belém e arredores, de dois anos para baixo, segundo a data que tinha averiguado dos Magos. Então se cumpriu o que estava predito pelo profeta Jeremias: ʽUma voz se ouviu em Ramá, grandes prantos e lamentações: Raquel chorando os seus filhos, sem admitir consolação, porque já não existemʼ”. (Mt 2, 11-20) Quanto ao número de assassinados, os Gregos e o jesuíta Salmerón (1612) diziam ter sido 14.000; os Sírios 64.000; o martirológio de Haguenau (Baixo Reno) 144.000. Calcula-se hoje que terão sido cerca de vinte ao todo. Foram muitas as Igrejas que pretenderam possuir relíquias deles.

Na Idade Média, nos bispados que possuíam escola de meninos de coro, a festa dos Inocentes ficou sendo a destes. Começava nas vésperas de 27 de dezembro e acabava no dia seguinte. Tendo escolhido entre si um “bispo”, estes cantorzinhos apoderavam-se das estolas dos cônegos e cantavam em vez deles. A este bispo improvisado competia presidir aos ofícios, entoar o Inviatório e o Te Deum e desempenhar outras funções que a liturgia reserva aos prelados maiores. Só lhes era retirado o báculo pastoral ao entoar-se o versículo do Magnificat: Derrubou os poderosos do trono, no fim das segundas vésperas. Depois, o “derrubado” oferecia um banquete aos colegas, a expensas do cabido, e voltava com eles para os seus bancos. Esta extravagante cerimônia também esteve em uso em Portugal, principalmente nas comunidades religiosas.

A festa de hoje também é um convite a refletirmos sobre a situação atual desses milhões de “pequenos inocentes”: crianças vítimas do descaso, do aborto, da fome e da violência. Rezemos neste dia por elas e pelas nossas autoridades, para que se empenhem cada vez mais no cuidado e no amor às nossas crianças, pois delas é o Reino dos Céus. Por estes pequeninos, sobretudo, é que nós cristãos aspiramos a um mundo mais justo e solidário.

Santos Inocentes, rogai por nós!