Antífona de entrada

Ouvi, Senhor, a voz do meu apelo: tende compaixão de mim e atendei-me; vós sois meu protetor: não me deixeis; não me abandoneis, ó Deus, meu Salvador! (Sl 26, 7. 9)

Oração do dia

Ó Deus, força daqueles que esperam em vós, sede favorável ao nosso apelo e, como nada podemos em nossa fraqueza, dai-nos sempre o socorro da vossa graça, para que possamos querer e agir conforme vossa vontade, seguindo os vossos mandamentos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
Diz-se o Glória.

Primeira Leitura (Ez 17, 22-24)


Leitura da Profecia de Ezequiel


22Assim diz o Senhor Deus: “Eu mesmo tirarei um galho da copa do cedro, do mais alto de seus ramos arrancarei um broto e o plantarei sobre um monte alto e elevado. 23Vou plantá-lo sobre o alto monte de Israel. Ele produzirá folhagem, dará frutos e se tornará um cedro majestoso. Debaixo dele pousarão todos os pássaros, à sombra de sua ramagem as aves farão ninhos. 24E todas as árvores do campo saberão que eu sou o Senhor, que abaixo a árvore alta e elevo a árvore baixa; faço secar a árvore verde e brotar a árvore seca. Eu, o Senhor, digo e faço”.

Salmo Responsorial (Sl 91)


R. Como é bom agradecermos ao Senhor.


— Como é bom agradecermos ao Senhor e cantar salmos de louvor ao Deus Altíssimo! Anunciar pela manhã vossa bondade, e o vosso amor fiel, a noite inteira. R.

— O justo crescerá como a palmeira, florirá igual ao cedro que há no Líbano; na casa do Senhor estão plantados, nos átrios de meu Deus florescerão. R.

— Mesmo no tempo da velhice darão frutos, cheios de seiva e de folhas verdejantes; e dirão: “É justo mesmo o Senhor Deus: meu Rochedo, não existe nele o mal!” R.


Segunda Leitura (2Cor 5, 6-10)


Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios


Irmãos: 6Estamos sempre cheios de confiança e bem lembrados de que, enquanto moramos no corpo, somos peregrinos longe do Senhor; 7pois caminhamos na fé e não na visão clara. 8Mas estamos cheios de confiança e preferimos deixar a moradia do nosso corpo, para ir morar junto do Senhor. 9Por isso, também nos empenhamos em ser agradáveis a ele, quer estejamos no corpo, quer já tenhamos deixado essa morada. 10Aliás, todos nós temos de comparecer às claras perante o tribunal de Cristo, para cada um receber a devida recompensa – prêmio ou castigo – do que tiver feito ao longo de sua vida corporal.

R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
V. Semente é de Deus a Palavra, o Cristo é o semeador; todo aquele que o encontra, vida eterna encontrou. (cf. Lc 8, 11) R.

Evangelho (Mc 4, 26-34)


V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.


V. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Marcos 

R. Glória a vós, Senhor.


V. Naquele tempo, 26Jesus disse à multidão: “O Reino de Deus é como quando alguém espalha a semente na terra. 27Ele vai dormir e acorda, noite e dia, e a semente vai germinando e crescendo, mas ele não sabe como isso acontece. 28A terra, por si mesma, produz o fruto: primeiro aparecem as folhas, depois vem a espiga e, por fim, os grãos que enchem a espiga. 29Quando as espigas estão maduras, o homem mete logo a foice, porque o tempo da colheita chegou”.

30E Jesus continuou: “Com que mais poderemos comparar o Reino de Deus? Que parábola usaremos para representá-lo? 31O Reino de Deus é como um grão de mostarda que, ao ser semeado na terra, é a menor de todas as sementes da terra. 32Quando é semeado, cresce e se torna maior do que todas as hortaliças, e estende ramos tão grandes, que os pássaros do céu podem abrigar-se à sua sombra”.

33Jesus anunciava a Palavra usando muitas parábolas como estas, conforme eles podiam compreender. 34E só lhes falava por meio de parábolas, mas, quando estava sozinho com os discípulos, explicava tudo.

Diz-se o Creio.

Sobre as Oferendas

Ó Deus, que pelo pão e o vinho alimentais a vida dos seres humanos e os renovais pelo sacramento, fazei que jamais falte este sustento ao nosso corpo e à nossa alma. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão

Ao Senhor eu peço apenas uma coisa e é só isto que eu desejo: habitar no santuário do Senhor, por toda a minha vida. (Sl 26, 4)

Ou:


Pai santo, guarda no teu nome os que me deste, para que sejam um como nós, diz o Senhor. (Jo 17, 11)

Depois da Comunhão

Ó Deus, esta comunhão na Eucaristia prefigura a união dos fiéis em vosso amor; fazei que realize também a comunhão na vossa Igreja. Por Cristo, nosso Senhor.

Homilia do dia 13/06/2021
Cultivemos boas sementes em nosso coração

“O Reino de Deus é como quando alguém espalha a semente na terra” (Marcos 4,26).

As parábolas de Jesus são tiradas do contexto da vida cotidiana. Numa sociedade agropastoril como era a sociedade da época de Jesus em Israel, leva o Senhor a explicar o Reino de Deus a partir da dinâmica da vida. E que beleza olhar o trabalho do agricultor: ele pega a semente, espalha-a sobre a terra para que, daquela semente, venham os frutos de tudo aquilo que plantou.

A semente é uma semente e ninguém dá muita importância, pois mesmo depois que degustamos e saboreamos o fruto, a semente nós jogamos fora. É gostosa e saborosa a fruta em nossa boca, mas o que não podemos nos esquecer é de que ela vem da semente, e se temos uma árvore frondosa, ela não se tornou a árvore da noite para o dia, nem é fruto do acaso, ela é fruto que veio de uma semente que o agricultor, que o plantador, que alguém jogou sobre a terra.

O que é nossa vida? Também somos frutos das sementes que jogaram em nós, que semearam em nós. Éramos ainda crianças quando os nossos pais semearam em nosso coração educação, princípios e valores.


Temos que espalhar a boa semente no mundo, em nossas casas, em nossas famílias, em nossos filhos

A sociedade vive de semear a sua cultura, e à medida que você absorve aquilo que está sendo semeado e guarda a semente, essa semente fica, cresce e os frutos depois se percebe. Mas a semente na qual nós precisamos prestar atenção é a boa semente.

Semeie a boa semente. É preciso vencer a ansiedade de ver a árvore pronta e saber cuidar da semente. A comparação que Jesus nos traz hoje é justamente nos mostrar que o Reino de Deus é como um grão de mostarda. E se coloca um grão de mostarda na palma da mão, você não o enxerga praticamente, de tão pequeno, insignificante e sem importância. Mas cuide, fecunde, deixe esse grão crescer para depois ver que beleza é a árvore que ele se torna.

Como precisamos saber dar valor às pequenas coisas, porque o Reino de Deus é assim, muitos deixaram de colher os frutos porque não cultivaram a semente.

Levou a criança para ser batizada? Que semente maravilhosa, é a semente da graça, mas não cultivou o batismo, não cultivou aquilo que foi semeado e plantado; e muitas vezes, perde-se não por falta de semente, mas por falta de cuidado.

Do outro lado, se você cultiva essa semente, quantos santos, quantas vidas bem-aventuradas, quantas vidas salvas, porque cuidaram da boa semente semeada no coração!

Por isso, hoje, precisamos dar atenção às sementinhas que colocamos no coração das nossas crianças e em nosso coração, porque temos que espalhar a boa semente no mundo, em nossas casas, em nossas famílias, em nossos filhos, porque a boa semente pequena e insignificante, se cuidada e cultivada, produz os frutos de salvação na vida.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo

Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco

O mundo inefável da Igreja Católica

“Como celebrar dignamente a tua bondade, Senhor, por me ver introduzido, apenas entrei na terra, no mundo inefável da Igreja Católica?” Assim o Papa Paulo VI agradecia a Deus, em seu testamento, o fato de pertencer à única Igreja de Cristo. Mas o que isso realmente significa?

Ouça aqui a homilia em ÁUDIO do Padre Paulo Ricardo:


Santo do dia 13/06/2021

Santo Antônio

Neste dia, celebramos a memória do popular santo – doutor da Igreja – que nasceu em Lisboa, no ano de 1195, e morreu nas vizinhanças da cidade de Pádua, na Itália, em 1231, por isso é conhecido como Santo Antônio de Lisboa ou de Pádua. O nome de batismo dele era Fernando de Bulhões y Taveira de Azevedo.

Ainda jovem, pertenceu à Ordem dos Cônegos Regulares, tanto que pôde estudar Filosofia e Teologia, em Coimbra, até ser ordenado sacerdote. Não encontrou dificuldade nos estudos, porque era de inteligência e memória formidáveis, acompanhadas por grande zelo apostólico e santidade. Aconteceu que, em Portugal, onde estava, Antônio conheceu a família dos Franciscanos, que não só o encantou pelo testemunho dos mártires em Marrocos, como também o arrastou para a vida itinerante na santa pobreza, uma vez que também queria testemunhar Jesus com todas as forças.

Ao ir para Marrocos, Antônio ficou tão doente, que teve de voltar, mas, providencialmente, foi ao encontro do “Pobre de Assis”, o qual lhe autorizou a ensinar aos frades as ciências que não atrapalhassem os irmãos de viverem o Santo Evangelho.

Nesse sentido, Santo Antônio não fez muito, pois seu maior destaque foi na vivência e pregação do Evangelho, o que era confirmado por muitos milagres, além de auxiliar no combate à Seita dos Cátaros e Albigenses, os quais isoladamente viviam uma falsa doutrina e pobreza. Santo Antônio serviu sua família franciscana através da ocupação de altos cargos de serviço na Ordem, isso até morrer com 36 anos para esta vida e entrar para a Vida Eterna.

Santo Antônio, rogai por nós!