Apoiadores do Pocket Terço
Terço com imagens no Youtube
Reze os Mistérios Gloriosos com imagens

Antífona de entrada

Cantai ao Senhor um canto novo, porque ele fez maravilhas; e revelou sua justiça diante das nações, aleluia! (Sl 97, 1-2)
Cantáte Dómino cánticum novum, allelúia: quia mirabília fecit Dóminus, allelúia: ante conspéctum géntium revelávit iustítiam suam, allelúia, allelúia. Ps. Salvávit sibi déxtera eius: et bráchium sanctum eius. (Ps. 97, 1. 2)
Vernáculo:
Cantai ao Senhor um canto novo, porque ele fez maravilhas; e revelou sua justiça diante das nações, aleluia! (Cf. MR: Sl 97, 1-2) Sl. Sua mão e o seu braço forte e santo alcançaram-lhe a vitória. (Cf. LH: Sl 97, 1cd)

Glória

Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por Ele amados.
Senhor Deus, Rei dos céus, Deus Pai todo poderoso.
Nós Vos louvamos, nós Vos bendizemos, nós Vos adoramos, nós Vos glorificamos, nós Vos damos graças por Vossa imensa glória.
Senhor Jesus Cristo, Filho unigênito, Senhor Deus, Cordeiro de Deus, Filho de Deus pai, Vós que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós.
Vós que tirais o pecado do mundo, acolhei a nossa súplica.
Vós que estais à direita do Pai, tende piedade de nós.
Só Vós sois o Santo, só Vós, o Senhor, Só Vós o Altíssimo, Jesus Cristo, com o Espírito Santo, na glória de Deus Pai.
Amém.

Oração do dia

Ó Deus, Pai de bondade, que nos redimistes e adotastes como filhos e filhas, concedei aos que creem em Cristo a liberdade verdadeira e a herança eterna. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Primeira Leitura (At 14, 21b-27)


Leitura dos Atos dos Apóstolos


Naqueles dias, Paulo e Barnabé 21bvoltaram para as cidades de Listra, Icônio e Antioquia. 22Encorajando os discípulos, eles os exortavam a permanecerem firmes na fé, dizendo-lhes: “É preciso que passemos por muitos sofrimentos para entrar no Reino de Deus”.

23Os apóstolos designaram presbíteros para cada comunidade. Com orações e jejuns, eles os confiavam ao Senhor, em quem haviam acreditado.

24Em seguida, atravessando a Pisídia, chegaram à Panfília. 25Anunciaram a palavra em Perge, e depois desceram para Atália. 26Dali embarcaram para Antioquia, de onde tinham saído, entregues à graça de Deus, para o trabalho que haviam realizado.

27Chegando ali, reuniram a comunidade. Contaram-lhe tudo o que Deus fizera por meio deles e como havia aberto a porta da fé para os pagãos.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 144)


℟. Bendirei o vosso nome, ó meu Deus, meu Senhor e meu Rei para sempre.


— Misericórdia e piedade é o Senhor, ele é amor, é paciência, é compaixão. O Senhor é muito bom para com todos, sua ternura abraça toda criatura. ℟.

— Que vossas obras, ó Senhor, vos glorifiquem, e os vossos santos com louvores vos bendigam! Narrem a glória e o esplendor do vosso reino e saibam proclamar vosso poder! ℟.

— Para espalhar vossos prodígios entre os homens e o fulgor de vosso reino esplendoroso. O vosso reino é um reino para sempre, vosso poder, de geração em geração. ℟.


https://youtu.be/R26Xn4AIC6w

Segunda Leitura (Ap 21, 1-5a)


Leitura do Livro do Apocalipse de São João


Eu, João, 1vi um novo céu e uma nova terra. Pois o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. 2Vi a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, de junto de Deus, vestida qual esposa enfeitada para o seu marido.

3Então, ouvi uma voz forte que saía do trono e dizia: “Esta é a morada de Deus entre os homens. Deus vai morar no meio deles. Eles serão o seu povo, e o próprio Deus estará com eles. 4Deus enxugará toda lágrima dos seus olhos. A morte não existirá mais, e não haverá mais luto, nem choro, nem dor, porque passou o que havia antes”.

5aAquele que está sentado no trono disse: “Eis que faço novas todas as coisas”. Depois, ele me disse: “Escreve, porque estas palavras são dignas de fé e verdadeiras”.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


℟. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
℣. Eu vos dou novo preceito: que uns aos outros vos ameis, como eu vos tenho amado. (Jo 13, 34) ℟.

Evangelho (Jo 13, 31-33a. 34-35)


℣. O Senhor esteja convosco.

℟. Ele está no meio de nós.


℣. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo João 

℟. Glória a vós, Senhor.


Depois que Judas saiu do cenáculo, disse Jesus: “Agora foi glorificado o Filho do Homem, e Deus foi glorificado nele. 32Se Deus foi glorificado nele, também Deus o glorificará em si mesmo, e o glorificará logo.

33aFilhinhos, por pouco tempo estou ainda convosco. 34Eu vos dou um novo mandamento: amai-vos uns aos outros. Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros. 35Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Creio

Creio em Deus Pai Todo-Poderoso,
Criador do céu e da terra;
e em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor;
que foi concebido pelo poder do Espírito Santo;
nasceu da Virgem Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado.
Desceu à mansão dos mortos;
ressuscitou ao terceiro dia;
subiu aos céus, está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso, donde há de vir a julgar os vivos e os mortos;
creio no Espírito Santo, na Santa Igreja Católica, na comunhão dos Santos, na remissão dos pecados, na ressurreição da carne, na vida eterna.
Amém.

Antífona do Ofertório

Iubiláte Deo univérsa terra: iubiláte Deo univérsa terra: psalmum dícite nómini eius: veníte, et audíte, et narrábo vobis, omnes qui timétis Deum, quanta fecit Dóminus ánimae meae, allelúia. (Ps. 65, 1. 2. 16)


Vernáculo:
Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, cantai salmos a seu nome glorioso! Todos vós que a Deus temeis, vinde escutar: vou contar-vos todo bem que ele me fez, aleluia! (Cf. LH: Sl 65, 1. 2a. 16)

Sobre as Oferendas

Ó Deus, que, pelo sublime diálogo deste sacrifício, nos fazeis participar de vossa única e suprema divindade, concedei que, conhecendo vossa verdade, lhe sejamos fiéis por toda a vida. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão

Eu sou a videira, vós os ramos, diz o Senhor. Quem permanece em mim e eu nele, dá muito fruto, aleluia! (Jo 15, 1. 5)
Ego sum vitis vera et vos pálmites, qui manet in me, et ego in eo, hic fert fructum multum, allelúia, allelúia. (Io. 15, 5; ℣. Ps. 79, 2ab. 9. 10. 11. 12. 16. 18. 19)
Vernáculo:
Eu sou a videira, vós os ramos, diz o Senhor. Quem permanece em mim e eu nele, dá muito fruto, aleluia! (Cf. MR: Jo 15, 1. 5)

Depois da Comunhão

Ó Deus de bondade, permanecei junto ao vosso povo e fazei passar da antiga à nova vida aqueles a quem concedestes a comunhão nos vossos mistérios. Por Cristo, nosso Senhor.

Homilia do dia 15/05/2022
Como foi mesmo que Jesus nos amou?

Quando ouvimos Jesus dizer aos Apóstolos: “Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros”, nossa tendência imediata é pensar na Cruz, onde Cristo verteu amorosamente seu Sangue pela nossa salvação. Os três anos que Ele passou, no entanto, ensinando seus discípulos e fazendo arder-lhes os corações, é o sentido literal e primeiro dessa passagem.

Meditação. — 1. A liturgia destes domingos finais do tempo litúrgico da Páscoa procura preparar-nos para a solenidade de Pentecostes. Por essa razão, a Igreja deixa de proclamar os evangelhos posteriores à Ressurreição de Cristo para voltar ao discurso de Cristo na Última Ceia, exatamente quando Ele promete a seus discípulos o envio do Espírito Santo, que lhes ensinará todas as coisas. (Na liturgia antiga, o trecho proclamado neste domingo já fala explicitamente de sua vinda: cf. Jo 16, 5-14).

A antífona de entrada da liturgia nova e o intróito da antiga, no entanto, são o mesmo: Cantate Domino canticum novum. É um convite à alegria, porque estamos a cantar, ainda, as glórias da Páscoa.

E também o Evangelho deste domingo fala de glória, mas num contexto que poderia parecer inadequado a um primeiro olhar. De fato, Judas, o traidor, acabara de sair do cenáculo, disposto a entregar Jesus, e este diz aos demais Apóstolos: “Agora foi glorificado o Filho do Homem”. Ora, como entender que Nosso Senhor fale de glória justamente quando começa o seu opróbrio?

A 1.ª e a 2.ª leituras respondem a esta pergunta quando anunciam, respectivamente: “É preciso que passemos por muitos sofrimentos para entrar no Reino de Deus” (At 14, 22) e “Deus enxugará toda lágrima dos seus olhos” (Ap 21, 4, referindo-se aos justos no Céu).

Tudo aponta, pois, para o duplo aspecto da Páscoa, indivisível, inseparável: Cruz e Ressurreição, Paixão e Glória. Normalmente, quando uma coisa aparece, oculta-se a outra, e é preciso descobrir pela fé aquela que se tornou invisível. No Calvário, Cristo padecia sofrimentos os mais terríveis e atrozes; em sua alma, no entanto, já se encontrava a glória de que gozam todos os bem-aventurados. Estes, por sua vez, hoje vivem em grande alegria, embora nesta vida tenham derramado sangue e lágrimas para conservar em seus corações a fé e a caridade. Por essa razão, não podemos temer as cruzes: é através delas que nos tornaremos dignos de “entrar no Reino”.

Meditação 2. Todavia, a única coisa capaz de transformar em glória os nossos sofrimentos chama-se amor.

A maior glória que existe no Céu — depois da glória que há na Santíssima Trindade e na humanidade santíssima de Cristo — é a da beatíssima Virgem Maria. Os artistas católicos chegaram a pintar os anjos boquiabertos a contemplá-la (cf., v.g., “A Assunção da Virgem”, de Alessandro Turchi). É uma glória maior do que a de todos os santos e santas da Igreja juntos. Mas a que se deve essa glória excelsa e sublime, senão ao grandíssimo amor que ela teve por seu Filho, Nosso Senhor? E esse amor, por sua vez, como foi possível senão por obra da graça divina, graça da qual, como se sabe, ela esteve repleta, desde a sua concepção imaculada?

Meditação 3. Pois é justamente com a passagem do mandamento do amor que se conclui o Evangelho deste domingo: “Amai-vos uns aos outros”, diz Jesus a seus Apóstolos. “Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros.”

Mas como foi mesmo que Cristo Nosso Senhor amou os seus discípulos?

Nossa tendência imediata, ao ouvir estas palavras de Jesus, é pensar na Cruz, onde Ele verteu amorosamente seu Sangue pela nossa salvação. E não está errada a associação, porque de fato “ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida por seus amigos” (Jo 15, 13). Mas, àquela altura do Evangelho, Cristo não havia ainda sido entregue nas mãos dos homens, o Cordeiro não havia ainda se deixado imolar por nós. Estando, pois, o verbo usado por Nosso Senhor no passado — “como eu vos amei”, Ele diz, e não “como eu vos amarei” —, a que mais poderia Ele estar se referindo, naquela oportunidade, senão aos três anos que passou ensinando seus discípulos e acendendo em seus corações o fogo do amor divino?

Pois bem, se foi deste modo que Ele nos amou e é deste modo que Ele quer que nos amemos uns aos outros, o apostolado não é para os cristãos um luxo acessório, mas uma exigência irrenunciável. O maior desejo do coração de um católico deve ser levar a Cristo todos que estão ao seu redor. Nessa missão, devemos procurar imitar em tudo, é claro, o nosso divino Mestre, que usou de grande paciência para pescar os seus discípulos, foi pouco a pouco os cevando, até os fisgar e atrair em definitivo a si; mas a necessidade de pregar, com palavras e com a vida, é mesmo indispensável.

E “nisto todos conhecerão que sois meus discípulos”, diz o Senhor, “se tiverdes amor uns aos outros”, isto é, se buscardes com todo afinco a salvação de vossos irmãos, como Eu mesmo procurei; se os alimentardes continuamente com o pão da Palavra, como eu fiz convosco.

Oração. — Fazei, Senhor, que assim como vós amastes os vossos discípulos, também nós amemos de coração sincero nossos irmãos e irmãs, querendo e trabalhando pelo maior bem que vós podeis conceder às nossas almas, que é a salvação eterna. Amém.

Propósito. — À luz do amor de Nosso Senhor que alimentou os primeiros discípulos com as suas palavras e ensinamentos, meditar se temos levado a doutrina de Cristo e da Igreja aos que nos são mais próximos, especialmente aqueles que foram colocados por Deus sob nossa responsabilidade, e fazer propósitos concretos nesse sentido.

Deus abençoe você!

Seja um apoiador!
Ajude-nos a manter o Pocket Terço: pocketterco.com.br/ajude

Homilia | Amar é, antes de tudo, ensinar a Verdade (5.º Domingo da Páscoa)

Quando ouvimos Jesus dizer aos Apóstolos: “Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros”, nossa tendência imediata é pensar na Cruz, onde Cristo verteu amorosamente seu Sangue pela nossa salvação. Os três anos que Ele passou, no entanto, ensinando seus discípulos e fazendo arder-lhes os corações, é o sentido literal e primeiro dessa passagem. E é sobre ele que Padre Paulo Ricardo medita em mais esta homilia de Páscoa.


https://youtu.be/NUgfvlCbpns

Santo do dia 15/05/2022


Santo Isidoro, Camponês (Memória Facultativa)
Local: Madrid, Espanha
Data: 15 de Maio † c. 1130


Com quatro decretos emanados no mesmo dia (12/03/1622), o papa Gregório XV canoniza Inácio de Loyola, Teresa de Ávila, Francisco Xavier, Filipe Néri e Isidoro. Haviam chegado à santidade por caminhos bem diferentes. Isidoro conquistou a santidade cavando a terra. A pobreza da família (nasceu em Madri em 1080) obrigou-o ainda muito jovem a procurar trabalho braçal no campo. Como muitos camponeses, levanta-se ao cantar do galo para assistir à Missa antes de ir ao trabalho. Seu primeiro empregador, um tal Vera, muito o apreciou desde logo, seja pela vontade de trabalhar, seja pela sua retidão e honestidade. Não obstante isso, o incansável trabalhador foi acusado pelos companheiros inclusive de fugir do serviço.

Porque se ausentava para rezar, diziam, movidos pela inveja e ciúme, que Isidoro abandonava o posto de trabalho. Era verdade, mas o jovem recuperava aquela horinha passada em oração a Deus nos tempos mais castigados pelo sol, redobrando seu empenho. O proprietário não quis conversa e exigiu a entrega de toda a colheita do campo que lhe havia dado de meia, além do abandono imediato das práticas de piedade durante o trabalho. Deus premiou o humilde e paciente trabalhador, multiplicando o pouco trigo que ficara nas tulhas. Quando pôde voltar ao seu torrão natal, após forçada emigração, foi contratado por proprietário de terra mais compreensivo, João Vargas, que fez dele seu braço direito.

Novamente atingido pela maledicência dos outros trabalhadores, Isidoro aceitou tranquilamente a provação sem protestar. Vargas quis tirar a limpo as acusações e se colocou escondido perto do campo de trabalho de Isidoro. De fato o surpreendeu de joelhos rezando, mas não muito longe estava um anjo dirigindo o arado e outro guiando os bois. Vargas, que até então tinha admiração, passou a ter devoção. De acordo com sua piedosa esposa, em uma nobre disputa de caridade para com o próximo, Isidoro não tirou vantagens pessoais da benevolência do seu empregador: continuou trabalhando a terra com alegre dedicação, repartindo com os pobres os bens materiais adquiridos com o suor da própria fronte.

Tinha sempre algo para dar aos necessitados, até aos passarinhos. Indo com o burrinho espalhava pela estrada mãozadas de trigo sem que o conteúdo do saco diminuísse de peso. Morreu em 1130, mais ou menos. Filipe II, atribuindo a sua cura à intercessão do santo camponês, de quem havia levado algumas relíquias, tornou-se um dos mais zelosos promotores da sua canonização, que, tardou a vir, mas se transformou em verdadeira apoteose.

Referência:
SGARBOSSA, Mario; GIOVANNI, Luigi. Um santo para cada dia. São Paulo: Paulus, 1983. 397 p. Tradução de: Onofre Ribeiro. Adaptações: Equipe Pocket Terço.

Santo Isidoro, rogai por nós!