Apoiadores do Pocket Terço
Terço com imagens no Youtube
Reze os Mistérios Gloriosos com imagens

Antífona de entrada

Não me abandone jamais, Senhor, meu Deus, não fiqueis longe de mim! Depressa, vinde em meu auxílio, ó Senhor, minha salvação. (Sl 37, 22-23)
Ne derelínquas me, Dómine Deus meus, ne discédas a me: inténde in adiutórium meum, Dómine virtus salútis meae. Ps. Dómine, ne in furóre tuo árguas me: neque in ira tua corrípias me. (Ps. 37, 22. 23 et 2)
Vernáculo:
Não me abandone jamais, Senhor, meu Deus, não fiqueis longe de mim! Depressa, vinde em meu auxílio, ó Senhor, minha salvação. (Cf. MR: Sl 37, 22-23) Sl. Repreendei-me, Senhor, mas sem ira; corrigi-me, mas não com furor! (Cf. LH: Sl 37, 2)

Oração do dia

Ó Deus, conservai constantemente vossa família na prática das boas obras e, assim como nos confortais agora com vossos auxílios, conduzi-nos aos bens eternos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Primeira Leitura (Jr 18, 18-20)

 

Leitura do Livro do Profeta Jeremias


Naqueles dias, 18disseram eles: “Vinde para conspirarmos juntos contra Jeremias; um sacerdote não deixará morrer a lei; nem um sábio, o conselho; nem um profeta, a palavra. Vinde para o atacarmos com a língua, e não vamos prestar atenção a todas as suas palavras”.

19Atende-me, Senhor, ouve o que dizem meus adversários. 20Acaso pode-se retribuir o bem com o mal? Pois eles cavaram uma cova para mim. Lembra-te de que fui à tua presença, para interceder por eles e tentar afastar deles a tua ira.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 30)

 

℟. Salvai-me pela vossa compaixão, ó Senhor Deus!


— Retirai-me desta rede traiçoeira, porque sois o meu refúgio protetor! Em vossas mãos, Senhor, entrego o meu espírito, porque vós me salvareis, ó Deus fiel! ℟.

— Ao redor, todas as coisas me apavoram; ouço muitos cochichando contra mim; todos juntos se reúnem, conspirando e pensando como vão tirar-me a vida. ℟.

— A vós, porém, ó meu Senhor, eu me confio, e afirmo que só vós sois o meu Deus! Eu entrego em vossas mãos o meu destino; libertai-me do inimigo e do opressor! ℟.


https://youtu.be/JrCR6IO6Qgw
℟. Salve, Cristo, Luz da vida, companheiro na partilha!
℣. Eu sou a luz do mundo; aquele que me segue não caminha entre as trevas, mas terá a luz da vida. (Jo 8, 12) ℟.

Evangelho (Mt 20, 17-28)


℣. O Senhor esteja convosco.

℟. Ele está no meio de nós.


℣. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Mateus 

℟. Glória a vós, Senhor.


Naquele tempo, 17enquanto Jesus subia para Jerusalém, ele tomou os doze discípulos à parte e, durante a caminhada, disse-lhes: 18“Eis que estamos subindo para Jerusalém, e o Filho do Homem será entregue aos sumos sacerdotes e aos mestres da Lei. Eles o condenarão à morte, 19e o entregarão aos pagãos para zombarem dele, para flagelá-lo e crucificá-lo. Mas no terceiro dia ressuscitará”.

20A mãe dos filhos de Zebedeu aproximou-se de Jesus com seus filhos e ajoelhou-se com a intenção de fazer um pedido. 21Jesus perguntou: “O que tu queres?” Ela respondeu: “Manda que estes meus dois filhos se sentem, no teu Reino, um à tua direita e outro à tua esquerda”. 22Jesus, então, respondeu-lhes: “Não sabeis o que estais pedindo. Por acaso podeis beber o cálice que eu vou beber?” Eles responderam: “Podemos”. 23Então Jesus lhes disse: “De fato, vós bebereis do meu cálice, mas não depende de mim conceder o lugar à minha direita ou à minha esquerda. Meu Pai é quem dará esses lugares àqueles para os quais ele os preparou”.

24Quando os outros dez discípulos ouviram isso, ficaram irritados contra os dois irmãos. 25Jesus, porém, chamou-os, e disse: “Vós sabeis que os chefes das nações têm poder sobre elas e os grandes as oprimem. 26Entre vós não deverá ser assim. Quem quiser tornar-se grande, torne-se vosso servidor; 27quem quiser ser o primeiro, seja vosso servo. 28Pois, o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida como resgate em favor de muitos”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Antífona do Ofertório

Ad te Dómine levávi ánimam meam: Deus meus, in te confído, non erubéscam: neque irrídeant me inimíci mei: étenim univérsi qui te exspéctant, non confundéntur. (Ps. 24, 1-3)


Vernáculo:
Senhor meu Deus, a vós elevo a minha alma, em vós confio: que eu não seja envergonhado nem triunfem sobre mim os inimigos! Não se envergonha quem em vós põe a esperança, mas sim, quem nega por um nada a sua fé. (Cf. LH: Sl 24, 1-3)

Sobre as Oferendas

Considerai, ó Deus, com bondade, as oferendas que vos apresentamos e concedei-nos, por meio delas, o perdão dos nossos pecados. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão

O Filho do homem veio não para ser servido, mas para servir e dar a sua vida pela salvação de todos. (Mt 20, 28)
Iustus Dóminus, et iustítias diléxit: aequitátem vidit vultus eius. (Ps. 10, 7; ℣. Ps. 10, 1. 2. 3. 4ab. 4cd. 5)
Vernáculo:
Porque justo é nosso Deus, o Senhor ama a justiça. Quem tem reto coração há de ver a sua face. (Cf. LH: Sl 10, 7)

Depois da Comunhão

Senhor nosso Deus, vós quisestes que a Eucaristia fosse para nós penhor da imortalidade. Fazei que ela nos conduza à eterna salvação. Por Cristo, nosso Senhor.

Homilia do dia 16/03/2022
Servir é reinar

Por que razão os Apóstolos, após estarem tanto tempo com Jesus, não são capazes de captar o principal evento da vida de Cristo, o motivo último pelo qual Ele desceu dos Céus e fez-se Servo de todos?

No Evangelho de hoje, em que Cristo faz o terceiro anúncio de sua Paixão, assistimos aos filhos de Zebedeu manifestarem toda a sua ambição mundana e todo o seu carreirismo interesseiro. O Senhor vem tentando, desde a instituição do primado petrino, dar a entender a seus discípulos não só a necessidade como também a iminência da Cruz: "O Filho do Homem", diz, "será entregue aos sumos sacerdotes e aos mestres da Lei. Eles o condenarão à morte". As suas palavras, no entanto, só dão contra ouvidos moucos; não existem, pois, corações dispostos a escutá-lO no que de mais duro — e principal — há no mistério de sua vida. A razão dessa surdez, obviamente, não deve ser buscada numa pretensa falta de clareza, pois Jesus é Mestre por excelência, mas antes na falta de correspondência à graça interior que, iluminando-nos, abre os nossos olhos e ouvidos ao sentido profundo do Evangelho. Sem essa moção divina dentro de nós, nem todos os profetas e milagres serão capazes de dar-nos a certeza, humilde e confiante, da fé; se não damos ouvido à voz interior do Cristo, que nos fala ao coração, apenas nos deixaremos mover — e convencer — pela concupiscência da carne, pela concupiscência dos olhos e pela soberba da vida (cf. 1Jo 2, 16).

Aproveitemos este tempo quaresmal para, como muitos e frequentes atos de fé, renovarmos nossa certeza, escutada no íntimo de nossa alma, de que o sacrifício do Senhor no Calvário foi o coroamento esplendoroso — escândalo, porém, para a tola sabedoria do mundo — de toda a vida de serviço a que Ele, humilde como um cordeiro imaculado, dedicou-se sem descanso, a fim de que fôssemos purificados de nossos pecados. Que esta verdade, mais consolidada em nosso coração, nos motive, fortalecidos com o auxílio eficaz da graça divina, a nos entregarmos também nós pelos nossos irmãos, assim como Cristo, Senhor e Servo do homem, se entregou pelos seus escolhidos. Peçamos também à Virgem Santíssima que sempre faça presente ao nosso coração o sentido dessas palavras de seu Filho, bem como a graça de podermos levá-las a cabo: "Quem quiser tornar-se grande, torne-se vosso servidor; quem quiser ser o primeiro, seja vosso servo".

Deus abençoe você!

Seja um apoiador!
Ajude-nos a manter o Pocket Terço: pocketterco.com.br/ajude

Homilia Diária | Prepare-se para ser contrariado! (Quarta-feira da 2.ª Semana da Quaresma)

Muitas vezes, quando nos pomos a rezar, imaginamos que a nossa oração é tão piedosa, reverente e honesta como a da mãe dos filhos de Zebedeu. De joelhos, com voz submissa mas confiante, ela pediu a Jesus, com a generosidade de uma mãe devota, nada menos do que a glória de seus filhos no Reino de Cristo. Pode haver melhor pedido? Pode haver melhor oração? E, no entanto, a resposta do Senhor foi repreender-lhes a ignorância: “Não sabeis o que pedis”. Como é possível, meu Jesus, que trateis desta forma uma oração que, por tantas qualidades, deveria arrancar um sim do vosso Coração sempre generoso?Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta quarta-feira, dia 16 de março, e vejamos por que motivos a nossa oração, aparentemente tão bem feita, nem sempre consegue de Cristo o que pedimos.


https://youtu.be/mGsXE1pEW-0

Santo do dia 16/03/2022


Santos João de Brébeuf, Isac Jogues e companheiros (Memória Facultativa)
Local: Ossernenon, Canadá
Data: 16 de Março † 1649


Nestes últimos tempos mudou-se a atitude para com os índios de pele vermelha. Tomou-se consciência de que a prepotência dos brancos colonizadores tem destruído a vida de populações, cujos valores próprios e autênticos já tarde demais os “civilizados” quiseram salvar. O cristianismo e, de modo especial, os missionários procuram preservar os valores genuínos de cada povo. Por isso oito jesuítas, entre eles João de Brébeuf, morreram no Canadá na metade do século XVII. Nasceu em 593 de família normanda que acompanhou Guilherme, o Conquistador, e são Luís IX. Tornou-se jesuíta ordenando-se padre no dia em que completou 29 anos. Três anos após partiu para o Canadá em companhia de Massé, Lalemant e José Roche d’Aillon. Foi direto trabalhar entre os índios algonquinos. Logo aprendeu a língua deles chegando a escrever nela gramática e catecismo. Passou depois para a tribo dos urões. Também nessa língua redigiu um catecismo. Batizou cerca de 7.000 índios. Sua vida inteira foi um martírio. Morava em choupanas de extrema pobreza, pequena imagem do inferno. No dia 16 de março de 1649 a tribo dos iroqueses, adversários dos urões, invadiram a missão, amarraram João de Brébeuf num pau, arrancaram-lhe as unhas, bateram nele de mil maneiras, torturando-o de todos os modos e, por fim, admirados pela sua coragem, partiram-lhe o peito e comeram-lhe o coração para herdarem a força da sua alma. Com sete outros companheiros mártires: Antônio Daniel, Carlos Garnier, Gabriel Lalemant, João de la Lande, Isac Jogues, Natal Chabanel e Renato Goupil, foi canonizado no dia 29 de junho de 1931. A festa deles cai no dia dezenove de outubro. Muito querido dos índios que o chamavam de “o homem que carrega os fardos”.

Referência:
SGARBOSSA, Mario; GIOVANNI, Luigi. Um santo para cada dia. São Paulo: Paulus, 1983. 397 p. Tradução de: Onofre Ribeiro. Adaptações: Equipe Pocket Terço.