Apoiadores do Pocket Terço
Terço com imagens no Youtube
Reze os Mistérios Gloriosos com imagens

Memória Facultativa

São João I, papa e mártir

Antífona de entrada

Que o vosso louvor transborde de minha boca; meus lábios exultarão, cantando de alegria, aleluia! (Sl 70, 8. 23)
Repleátur os meum laude tua, allelúia: ut possim cantáre, allelúia: gaudébunt lábia mea, dum cantávero tibi, allelúia, allelúia. Ps. In te Dómine sperávi, non confúndar in aetérnum: in iustítia tua líbera me, et éripe me. (Ps. 70, 8. 23 et 1-2)
Vernáculo:
Que o vosso louvor transborde de minha boca; meus lábios exultarão, cantando de alegria, aleluia! (Cf. MR: Sl 70, 8. 23) Sl. Eu procuro meu refúgio em vós, Senhor: que eu não seja envergonhado para sempre! Porque sois justo, defendei-me e libertai-me! (Cf. LH: Sl 70, 1-2a)

Oração do dia

Ó Deus, que amais e restituís a inocência, orientai para vós os nossos corações, para que jamais se afastem da luz da verdade os que tirastes das trevas da descrença. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Primeira Leitura (At 15, 1-6)


Leitura dos Atos dos Apóstolos


1Naqueles dias, chegaram alguns da Judeia e ensinavam aos irmãos de Antioquia, dizendo: “Vós não podereis salvar-vos, se não fordes circuncidados, como ordena a Lei de Moisés”. 2Isto provocou muita confusão, e houve uma grande discussão de Paulo e Barnabé com eles. Finalmente, decidiram que Paulo, Barnabé e alguns outros fossem a Jerusalém, para tratar dessa questão com os apóstolos e os anciãos.

3Depois de terem sido acompanhados pela comunidade, Paulo e Barnabé atravessaram a Fenícia e a Samaria. Contaram sobre a conversão dos pagãos, causando grande alegria entre todos os irmãos.

4Chegando a Jerusalém, foram recebidos pelos apóstolos e os anciãos, e narraram as maravilhas que Deus tinha realizado por meio deles. 5Alguns dos que tinham pertencido ao partido dos fariseus e que haviam abraçado a fé, levantaram-se e disseram que era preciso circuncidar os pagãos e obrigá-los a observar a Lei de Moisés. 6Então, os apóstolos e os anciãos reuniram-se para tratar desse assunto.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 121)


℟. Que alegria, quando ouvi que me disseram: Vamos à casa do Senhor!


— Que alegria, quando ouvi que me disseram: “Vamos à casa do Senhor!” E agora nossos pés já se detêm, Jerusalém, em tuas portas. ℟.

— Jerusalém, cidade bem edificada num conjunto harmonioso; para lá sobem as tribos de Israel, as tribos do Senhor. ℟.

— Para louvar, segundo a lei de Israel, o nome do Senhor. A sede da justiça lá está e o trono de Davi. ℟.


https://youtu.be/sCPAN22eXLM
℟. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
℣. Ficai em mim e eu em vós ficarei, diz Jesus; quem em mim permanece há de dar muito fruto. (Jo 15, 4a. 5b) ℟.

Evangelho (Jo 15, 1-8)


℣. O Senhor esteja convosco.

℟. Ele está no meio de nós.


℣. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo João 

℟. Glória a vós, Senhor.


Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 1“Eu sou a videira verdadeira e meu Pai é o agricultor. 2Todo ramo que em mim não dá fruto ele o corta; e todo ramo que dá fruto, ele o limpa, para que dê mais fruto ainda. 3Vós já estais limpos por causa da palavra que eu vos falei. 4Permanecei em mim e eu permanecerei em vós. Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira, assim também vós não podereis dar fruto, se não permanecerdes em mim.

5Eu sou a videira e vós os ramos. Aquele que permanece em mim, e eu nele, esse produz muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. 6Quem não permanecer em mim, será lançado fora como um ramo e secará. Tais ramos são recolhidos, lançados no fogo e queimados. 7Se permanecerdes em mim e minhas palavras permanecerem em vós, pedi o que quiserdes e vos será dado. 8Nisto meu Pai é glorificado: que deis muito fruto e vos torneis meus discípulos.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Antífona do Ofertório

Iubiláte Deo univérsa terra: iubiláte Deo univérsa terra: psalmum dícite nómini eius: veníte, et audíte, et narrábo vobis, omnes qui timétis Deum, quanta fecit Dóminus ánimae meae, allelúia. (Ps. 65, 1. 2. 16)


Vernáculo:
Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, cantai salmos a seu nome glorioso! Todos vós que a Deus temeis, vinde escutar: vou contar-vos todo bem que ele me fez, aleluia! (Cf. LH: Sl 65, 1. 2a. 16)

Sobre as Oferendas

Concedei, ó Deus, que sempre nos alegremos por estes mistérios pascais, para que nos renovem constantemente e sejam fonte de eterna alegria. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão

Ressuscitou e manifestou-se a nós o Senhor que nos remiu com seu sangue, aleluia!
Ego sum vitis vera et vos pálmites, qui manet in me, et ego in eo, hic fert fructum multum, allelúia, allelúia. (Io. 15, 5; ℣. Ps. 79, 2ab. 9. 10. 11. 12. 16. 18. 19)
Vernáculo:
Eu sou a videira, vós os ramos, diz o Senhor. Quem permanece em mim e eu nele, dá muito fruto, aleluia! (Cf. MR: Jo 15, 1. 5)

Depois da Comunhão

Ouvi, ó Deus, as nossas preces, para que o intercâmbio de dons entre o céu e a terra, trazendo-nos a redenção, seja um auxílio para a vida presente e nos conquiste a alegria eterna. Por Cristo, nosso Senhor.

Homilia do dia 18/05/2022
Podados para amar

Nós, membros do Corpo de Cristo, somos ramos unidos à videira. Mas para que demos fruto, e não só folhas, precisamos deixar que o Pai dos céus nos pode e purifique.

Jesus diz hoje aos Apóstolos: “Vós já estais limpos por causa da palavra que Eu vos falei”. Isso significa que a palavra de Deus, se escutada e acolhida como convém, tem a virtude de nos purificar. Mas para entendermos a fundo essa frase de Nosso Senhor, precisamos notar que ela depende da que vem imediatamente antes: “Eu sou a videira verdadeira e meu Pai é o agricultor. Todo ramo que em mim não dá fruto Ele o corta; e todo ramo que dá fruto, Ele o limpa, para que dê mais fruto ainda”. Ou seja, a palavra de Deus nos purifica na medida em que, inseridos no Corpo de Cristo pelo Batismo e a graça santificante, recebemos a seiva de vida eterna que nos vem por meio da fé. Quanto mais unidos estamos a Cristo como ramos à videira, mais o Pai que está nos céus nos poda e purifica, a fim de que, recebendo o influxo de sua vida, cresçamos e frutifiquemos em abundância. Pelo Batismo, já somos ramos de Jesus; mas para que demos o fruto sazonado do amor — e não apenas folhas —, temos de deixar-nos podar, limpar, purificar por aquele que é o autor da nossa santificação. Essa poda consiste, entre outras coisas, em abandonar não só o pecado, mas também os amores, divertimentos e afetos que, mesmo não sendo pecaminosos, são próprios de um espírito mundano, hostil à mondadura que Deus quer levar a cabo em nossas almas. Por isso, entreguemo-nos sem medos às mãos do Pai celeste, que, como zeloso agricultor, não medirá esforços para arrancar todas as ervas daninhas que têm impedido de crescer no terreno dos nossos corações a flor de uma caridade mais pura e perfeita.

Deus abençoe você!

Seja um apoiador!
Ajude-nos a manter o Pocket Terço: pocketterco.com.br/ajude

Homilia Diária | Sem ser podados, não produzimos frutos (Quarta-feira da 5.ª Semana da Páscoa)

Homilia Diária | Sem ser podados, não produzimos frutos (Quarta-feira da 5.ª Semana da Páscoa)Pelo Batismo, somos inseridos no Corpo de Cristo. Como ramos unidos à videira, é de Jesus que recebemos a seiva da vida eterna e é apenas nele, no qual e pelo qual vivemos, que nos é possível dar frutos do agrado do Pai.Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta quarta-feira, dia 18 de maio, e descubra como crescer em união com Cristo, por cuja Palavra somos podados e preparados para entrar definitivamente no Reino dos Céus!


https://youtu.be/e5DwnT3hxf4

Santo do dia 18/05/2022


São João I, Papa e Mártir (Memória Facultativa)
Local: Roma, Itália
Data: 18 de Maio † 526


“Muitas e graves, conforme o juízo dos homens, as tuas culpas de homem e de rei: avidez de possuir e de destruir, muita tolerância da ferocidade e cobiça dos teus sequazes, arrogância e impostura…” Assim, pela boca de um anjo, João Papini apostrofa Teodorico no seu Juízo universal; apaixonada é a réplica: “Eu era o chefe de uma destas turmas de famintos nômades e toda a minha autoridade de capitão e de rei não podia transformá-la num momento num rebanho de salmistas e genuflexos… Romanos robustecidos e godos paganizados teriam de fundir-se num povo único e forte, capaz de dar novamente à Itália o primeiro lugar na terra. Não foi somente minha a culpa se aquele generoso sonho ficou só sonho”. A memória de são João I está unida ao drama político-religioso de Teodorico.

Toscano de nascimento, João sucedera ao papa Hormisda a 15 de agosto de 523. Há quem o identifique com o João Diácono, autor de uma Epístola ad Senarium, importante pela história da liturgia batismal, porque é talvez o único documento que ateste a tradição da Igreja romana de erigir e consagrar no sábado santo sete altares e de derramar no cálice uma mistura de leite e mel. João Diácono é reconhecido também como autor do tratado A fé católica, transmitido pelos antigos entre as obras de Severino Boécio.

Quando o filho de Constâncio se tornou papa, há apenas cinco anos, Hormisda e o imperador Justino, tio de Justiniano, tinham feito cessar o cisma entre Roma e Constantinopla, estourado em 484 pelo Henoticon do imperador Zenão, que tentara um impossível compromisso entre católicos e monofisitas. Com a jogada obtivera também interessantes resultados políticos e os godos eram arianos. Lá pelo fim de 524, Justino publicou um edito com o qual ordenava o fechamento das igrejas arianas de Constantinopla e a exclusão dos hereges de toda a função civil e militar. Teodorico então obrigou o papa João I a ir a Constantinopla para solicitar do imperador a revogação do decreto: as manifestações de atenção foram excepcionais: 15.000 saíram-lhe ao encontro com círios e cruzes e o papa presidiu as solenes funções do Natal e da Páscoa.

Justino aderiu ao pedido de restituir aos arianos as igrejas confiscadas, mas insistiu na privação dos direitos dos arianos convertidos ao catolicismo que novamente se tornassem arianos. Foi o suficiente para o suspeito Teodorico mandar matar Boécio e Símaco. Lançado na prisão em Ravena, o papa João I ali morreu aos dezoito de maio de 526.

Referência:
BECKHÄUSER, Frei Alberto. Os Santos na Liturgia: testemunhas de Cristo. Petrópolis: Vozes, 2013. 391 p. Adaptações: Equipe Pocket Terço.

São João I, rogai por nós!