Apoiadores do Pocket Terço
Terço com imagens no Youtube
Reze os Mistérios Gloriosos com imagens

Antífona de entrada

Grande sinal apareceu no céu: uma mulher que tem o sol por manto, a lua sob os pés, e uma coroa de doze estrelas na cabeça. (Ap 12, 1)

Ou:


Alegremo-nos todos no Senhor, celebrando este dia festivo em honra da Virgem Maria: os Anjos se alegram pela sua Assunção e dão glória ao Filho de Deus.
Signum magnum appáruit in caelo: múlier amícta sole, et luna sub pédibus eius, et in cápite eius coróna stellárum duódecim. Ps. Cantáte Dómino cánticum novum: quia mirabília fecit. (Apoc. 12, 1; Ps. 97)

Ad libitum:
Gaudeámus omnes in Dómino, diem festum celebrántes sub honóre Maríae Vírginis: de cuius Assumptióne gaudent ángeli, et colláudant Fílium Dei. Ps. Eructávit cor meum verbum bonum: dico ego ópera mea regi. (Ps. 44)
Vernáculo:
Grande sinal apareceu no céu: uma mulher que tem o sol por manto, a lua sob os pés, e uma coroa de doze estrelas na cabeça. (Cf. MR: Ap 12, 1) Sl. Cantai ao Senhor Deus um canto novo, porque ele fez prodígios! (Cf. LH: Sl 97, 1)

Opcional:
Alegremo-nos todos no Senhor, celebrando este dia festivo em honra da Virgem Maria: os Anjos se alegram pela sua Assunção e dão glória ao Filho de Deus. (Cf. MR) Sl. Transborda um poema do meu coração; vou cantar-vos, ó Rei, esta minha canção. (Cf. LH: Sl 44)

Glória

Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por Ele amados.
Senhor Deus, Rei dos céus, Deus Pai todo poderoso.
Nós Vos louvamos, nós Vos bendizemos, nós Vos adoramos, nós Vos glorificamos, nós Vos damos graças por Vossa imensa glória.
Senhor Jesus Cristo, Filho unigênito, Senhor Deus, Cordeiro de Deus, Filho de Deus pai, Vós que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós.
Vós que tirais o pecado do mundo, acolhei a nossa súplica.
Vós que estais à direita do Pai, tende piedade de nós.
Só Vós sois o Santo, só Vós, o Senhor, Só Vós o Altíssimo, Jesus Cristo, com o Espírito Santo, na glória de Deus Pai.
Amém.

Oração do dia

Deus eterno e todo-poderoso, que elevastes à glória do céu, em corpo e alma, a imaculada Virgem Maria, Mãe do vosso Filho, dai-nos viver atentos às coisas do alto, a fim de participarmos da sua glória. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Primeira Leitura (Ap 11, 19a; 12, 1. 3-6a. 10ab)


Leitura do Livro do Apocalipse de São João


Abriu-se o Templo de Deus que está no céu e apareceu no Templo a Arca da Aliança. 12, 1Então apareceu no céu um grande sinal: uma mulher vestida de sol, tendo a lua debaixo dos pés e sobre a cabeça uma coroa de doze estrelas.

3Então apareceu outro sinal no céu: um grande Dragão, cor de fogo. Tinha sete cabeças e dez chifres e, sobre as cabeças, sete coroas. 4Com a cauda, varria a terça parte das estrelas do céu, atirando-as sobre a terra. O Dragão parou diante da Mulher, que estava para dar à luz, pronto para devorar o seu Filho, logo que nascesse. 5E ela deu à luz um filho homem, que veio para governar todas as nações com cetro de ferro. Mas o Filho foi levado para junto de Deus e do seu trono. 6aA mulher fugiu para o deserto, onde Deus lhe tinha preparado um lugar.

10abOuvi então uma voz forte no céu, proclamando: “Agora realizou-se a salvação, a força e a realeza do nosso Deus, e o poder do seu Cristo”.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 44)


℟. À vossa direita se encontra a rainha, com veste esplendente de ouro de Ofir.


— As filhas de reis vêm ao vosso encontro, e à vossa direita se encontra a rainha com veste esplendente de ouro de Ofir. ℟.

— Escutai, minha filha, olhai, ouvi isto: “Esquecei vosso povo e a casa paterna! Que o Rei se encante com vossa beleza! Prestai-lhe homenagem: é vosso Senhor! ℟.

— Entre cantos de festa e com grande alegria, ingressam, então, no palácio real”. ℟.


https://youtu.be/82zeFpx-FVo

Segunda Leitura (1Cor 15, 20-27a)


Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios


Irmãos: 20Cristo ressuscitou dos mortos como primícias dos que morreram. 21Com efeito, por um homem veio a morte e é também por um homem que vem a ressurreição dos mortos. 22Como em Adão todos morrem, assim também em Cristo todos reviverão. 23Porém, cada qual segundo uma ordem determinada: Em primeiro lugar, Cristo, como primícias; depois, os que pertencem a Cristo, por ocasião da sua vinda.

24A seguir, será o fim, quando ele entregar a realeza a Deus-Pai, depois de destruir todo principado e todo poder e força. 25Pois é preciso que ele reine até que todos os seus inimigos estejam debaixo de seus pés. 26O último inimigo a ser destruído é a morte. 27aCom efeito, “Deus pôs tudo debaixo de seus pés”.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


℟. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
℣. Maria é elevada ao céu, alegram-se os coros dos anjos. ℟.

Evangelho (Lc 1, 39-56)


℣. O Senhor esteja convosco.

℟. Ele está no meio de nós.


℣. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Lucas 

℟. Glória a vós, Senhor.


Naqueles dias, 39Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judeia. 40Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. 41Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou no seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. 42Com um grande grito, exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! 43Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? 44Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. 45Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu”.

46Então Maria disse: “A minha alma engrandece o Senhor, 47e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador, 48porque olhou para a humildade de sua serva. Doravante todas as gerações me chamarão bem-aventurada, 49porque o Todo-poderoso fez grandes coisas em meu favor. O seu nome é santo, 50e sua misericórdia se estende, de geração em geração, a todos os que o respeitam. 51Ele mostrou a força de seu braço: dispersou os soberbos de coração. 52Derrubou do trono os poderosos e elevou os humildes. 53Encheu de bens os famintos, e despediu os ricos de mãos vazias. 54Socorreu Israel, seu servo, lembrando-se de sua misericórdia, 55conforme prometera aos nossos pais, em favor de Abraão e de sua descendência, para sempre”. 56Maria ficou três meses com Isabel; depois voltou para casa.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Creio

Creio em Deus Pai Todo-Poderoso,
Criador do céu e da terra;
e em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor;
que foi concebido pelo poder do Espírito Santo;
nasceu da Virgem Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado.
Desceu à mansão dos mortos;
ressuscitou ao terceiro dia;
subiu aos céus, está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso, donde há de vir a julgar os vivos e os mortos;
creio no Espírito Santo, na Santa Igreja Católica, na comunhão dos Santos, na remissão dos pecados, na ressurreição da carne, na vida eterna.
Amém.

Antífona do Ofertório

Assumpta est María in caelum: gaudent ángeli, collaudántes benedícunt Dóminum, allelúia. (Graduale Romanum)


Vernáculo:
Maria é elevada ao céu: alegrem-se os anjos e louvando bendigam ao Senhor, aleluia. (Trad. Direta)

Sobre as Oferendas

Suba até vós, ó Deus, o nosso sacrifício, e, pela intercessão da Virgem Maria, elevada ao céu, acendei em nossos corações o desejo de chegar até vós. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão

Todas as gerações me chamarão bem-aventurada, porque o Poderoso fez em mim grandes coisas. (Lc 1, 48-49)
Beátam me dicent omnes generatiónes, quia fecit mihi magna qui potens est. (Luc. 1, 48. 49; ℣. Cant. Magnificat: Luc. 1, 46-47. 50. 51. 52. 53. 54. 55)
Vernáculo:
Todas as gerações me chamarão bem-aventurada porque o Poderoso fez em mim grandes coisas. (Cf. MR: Lc 1, 48-49)

Depois da Comunhão

Ó Deus, que nos alimentastes com o sacramento da salvação, concedei-nos, pela intercessão da Virgem Maria elevada ao céu, chegar à glória da ressurreição. Por Cristo, nosso Senhor.

Homilia do dia 21/08/2022
A realeza de Maria Santíssima

Na solenidade da Assunção, os cristãos repetem a multissecular oração da Salve Rainha, saudando Maria Santíssima e reconhecendo a sua realeza.

Em 1950, o Papa Pio XII, por meio da constituição apostólica Munificentissimus Deus, definiu “ser dogma divinamente revelado que a imaculada Mãe de Deus, a sempre virgem Maria, terminado o curso da vida terrestre, foi assunta em corpo e alma à glória celestial”. Ou seja, Deus, em sua bondade, dispôs que o corpo de Maria, que carregou em seu ventre o próprio Verbo humanado, fosse poupado da corrupção do túmulo. Por mais que se usem argumentos para explicar logicamente esse mistério, a Assunção de Maria é um ato gratuito e livre de amor do Todo-Poderoso, que quis elevar a bem-aventurada Virgem Maria primeiro à glória do Céu.

O argumento mais convincente para a elevação de Nossa Senhora é o da ausência. Não existe nenhum lugar onde se possa dizer que o seu corpo esteja enterrado. Como é possível que os primeiros cristãos, que conservavam os sepulcros dos grandes santos e padres da Igreja primitiva, não tenham guardado o túmulo da mãe de Cristo? De fato, existe um túmulo no Getsêmani, mas ele frequentemente é referido como um “túmulo vazio”, pois os fiéis católicos, desde o começo, creem que Maria está ressuscitada na glória dos céus.

É interessante que, no mosaico da abside da Basílica de Santa Maria em Trastevere, em Roma, Nossa Senhora não só está à direita de Nosso Senhor – como indicam as palavras do salmista: “À vossa direita se encontra a rainha com veste esplendente de ouro de Ofir” –, mas os dois se encontram sentados no mesmo trono. Jesus tem seu braço direito envolvendo Sua mãe e ela, que tem em uma mão um manuscrito do Cântico dos Cânticos, mantém os seus dedos apontados para Jesus – a Rainha que aponta para o Rei. É uma imagem do que acontece nas bodas de Caná, quando ela diz: “Fazei tudo o que ele vos disser”, e do que rezamos na Salve Rainha: Et Iesum, benedictum fructum ventris tui, nobis post hoc exsilium ostende. Depois deste desterro, ela realmente nos mostra Jesus.

Essa figura de Jesus e Maria sentados no mesmo trono está profundamente enraizada na teologia bíblica. No livro Queen Mother: A Biblical Theology of Mary’s Queenship [“Rainha Mãe: Uma Teologia Bíblica da Realeza de Maria”], Edward Sri explica como, no reino de Judá, o rei sempre reinava juntamente com sua mãe. Assim, por exemplo, Salomão, ao ser entronizado como rei, colocou sua mãe, Betsabéia, à sua direita: “Betsabéia foi até o rei Salomão para falar a respeito de Adonias. O rei levantou-se e veio a seu encontro, prostrou-se diante dela e, depois, sentou-se no trono. Puseram também um trono para a mãe do rei, a qual sentou-se à sua direita”. Essa cerimônia do Antigo Testamento nada mais é que prefiguração do reinado de Cristo e de Sua mãe, Maria Santíssima, para quem também foi colocado um trono no Céu. Apenas São Gabriel Arcanjo diz a Maria que “o Senhor Deus lhe dará [a Jesus] o trono de Davi, seu pai”, ela tomou consciência de que seria rainha.

Santo Afonso Maria de Ligório ensina, citando São Pedro Damião, que o mistério da subida de Maria aos céus foi mais solene do que a ascensão de Jesus, “porque só os anjos saíram ao encontro de Jesus Cristo, mas Nossa Senhora foi assunta ao céu na presença do Senhor da glória e de toda a sociedade bem-aventurada dos anjos e dos santos”. A Igreja recorda a realeza de Maria na Liturgia, quando lê a passagem do Apocalipse de São João que fala de “uma Mulher vestida de sol, tendo a lua debaixo dos pés e sobre a cabeça uma coroa de doze estrelas (...). E ela deu à luz um filho homem, que veio para governar todas as nações com cetro de ferro”.

Quando celebramos o mistério da Assunção, não estamos simplesmente lembrando a elevação de Nossa Senhora, como também o mistério de Sua presença. Em uma introdução à encíclica Redemptoris Mater, de São João Paulo II, o cardeal Joseph Ratzinger, comentando o método usado pelo Papa para escrever esse documento, diz que ele nos apresenta uma “mariologia histórico-dinâmica”. Ou seja, ao invés de seguir a esteira da mariologia do século XIX e início do XX, a encíclica prefere apresentar os mistérios, não como realidades estáticas, mas como um dom que nos alcança:

“Maria não habita apenas no passado ou em altas esferas do céu sob a imediata ação divina; ela permanece presente neste momento histórico real; ela é uma pessoa agindo aqui e agora. Sua vida não é apenas uma realidade que está atrás de nós, ou acima de nós; mas ela vai à nossa frente, como o Papa faz questão de enfatizar”.

De fato, fazendo menção do ensinamento do Concílio Vaticano II, o Papa recorda que:

“Maria contribui de maneira especial para a união da Igreja peregrina na terra com a realidade escatológica e celeste da comunhão dos santos, tendo já sido ‘elevada ao Céu’. (...) No mistério da Assunção exprime-se a fé da Igreja, segundo a qual Maria está ‘unida por um vínculo estreito e indissolúvel a Cristo’, pois, se já como mãe-virgem estava a Ele unida singularmente na sua primeira vinda, pela sua contínua cooperação com Ele o estará também na expectativa da segunda: ‘Remida dum modo mais sublime, em atenção aos méritos de seu Filho’, ela tem também aquele papel, próprio da Mãe, de medianeira de clemência, na vinda definitiva, quando todos os que são de Cristo forem vivificados e quando ‘o último inimigo a ser destruído será a morte’ (1 Cor 15, 26).” [Redemptoris Mater, 41]

É como “medianeira de clemência” que os cristãos invocam a Virgem Santíssima na oração da Salve Rainha: depois de manifestar a nossa condição de pecadores e “degredados filhos de Eva” “neste vale de lágrimas”, o texto pede à toda santa Mãe de Deus – eis a única graça que nos importa pedir – que nos mostre Jesus.

Essa bela prece, escrita pelo bem-aventurado Hermano Contractus, monge na abadia de Reichenau, no século XI, foi popularizada quando Pedro, o Venerável, abade de Cluny, ordenou que ela fosse cantada nas festas da Assunção. Rezemo-la com fervor, proclamando a realeza de Maria no Céu e a sua presença como mãe e medianeira em nossas vidas.

Deus abençoe você!

Seja um apoiador!
Ajude-nos a manter o Pocket Terço: pocketterco.com.br/ajude

Santo do dia 21/08/2022


São Pio X (Memória)
Local: Roma, Itália
Data: 21 de Agosto † 1914


Pio X é um santo dos tempos atuais, ou seja, da primeira metade do século XX. Nasceu em 1837, em Riese, no norte da Itália, diocese de Treviso, com o nome de José Sarto.

Pertencia a uma família pobre e humilde, mas de intensa vivência espiritual. José Sarto ingressou nas fileiras eclesiásticas, chegando a galgar todos os postos, desde vigário cooperador, hoje diríamos vigário paroquial, numa pequena aldela, pároco de uma importante paróquia, cônego da catedral de Treviso, bispo da diocese de Mântua; cardeal de Veneza e, por fim, papa. Desta forma ele adquiriu uma enorme experiência pastoral.

Era cardeal-patriarca de Veneza, quando em 1903 foi escolhido para suceder o sábio papa Leão XIII. Tomando o nome de Pio X, José Sarto continuou no Vaticano sua vida de simplicidade, modéstia e pobreza, como quando simples pároco. Mas sua perspicácia pastoral abalou o mundo. Adotou como lema: "Restaurar todas as coisas em Cristo".

Ao contrário de Leo XIII, que procurou dialogar com as ideias políticas e sociais do século XIX, Pio X será preponderantemente um pastor, mais voltado para a pastoral e o incremento da vida eclesiástica e cristã.

Dois meses após sua eleição, publicou sua primeira encíclica, com o programa do seu pontificado. Logo no início do seu pontificado, nomeou uma comissão para codificar o Direito Canônico, que foi publicado em 1917. Era o Código do Direito Canônico. Reorganizou as Congregações romanas da Cúria papal.

Sua preocupação pastoral levou-o a acolher e fomentar o Movimento Litúrgico, que sob o seu pontificado tomou novo vigor. Vem de Pio X a insistência sobre a importância da participação ativa de todos os fiéis na Liturgia, principio que perpassa toda a reforma da Liturgia decretada pelo Concilio Vaticano II. Promoveu a comunhão frequente, incentivando também a comunhão das crianças. Cuidou da formação dos sacerdotes, mandou elaborar um novo Catecismo, favoreceu o movimento bíblico, promoveu a reforma litúrgica, sobretudo, do Ofício Divino para o Clero, e do canto sacro. Realizou profundas reformas na Liturgia que marcariam um dos grandes progressos da espiritualidade do nosso tempo. Além dos problemas externos que muito o fizeram sofrer, sobretudo a politica religiosa do governo francês, Pio X não sofreu menos com o modernismo que, levado pelo pensamento moderno, feria parcialmente o caráter sobrenatural do catolicismo. Ele enfrentou o movimento com rara energia, condenando suas doutrinas numa encíclica especial em 1907, e exigindo, daí por diante, que o clero antes de assumir qualquer cargo fizesse o juramento antimodernista. Historiadores há que têm apreciado negativamente certos aspectos da luta de Pio X contra o modernismo, sobretudo a sua tendência de ver heresia modernista em tudo.

Ele não foi um teólogo, foi sim um pastor dedicado e sobretudo um verdadeiro santo, extremamente devoto, mas simples e sem ostentação. Pode-se afirmar até que foi um precursor das reformas na Igreja realizadas pelo Concílio Vaticano II.

Prevendo a iminência da primeira grande guerra que procurou esconjurar de todos os meios, amargurado, veio a falecer no dia 20 de agosto de 1914, com 79 anos de idade. Foi canonizado por Pio XII em 1954.

O que está escrito na lápide do seu sepulcro resume bem a sua vida: Pio X, pobre e rico, suave e humilde, de coração forte, lutador em prol dos direitos da Igreja, esforçado na tarefa de restaurar em Cristo todas as coisas.

A Oração coleta o apresenta como defensor da fé católica e restaurador de todas as coisas em Cristo. Deus o cumulou de sabedoria divina e de coragem apostólica na realização desta sua missão na Igreja. Na Oração sobre as oferendas se pede a graça de seguir os ensinamentos de São Pio X para celebrar dignamente os mistérios divinos. Trata-se de uma alusão ao que Pio X fez em favor da Liturgia e particularmente da participação ativa na Eucaristia, mormente quanto à Comunhão frequente e a comunhão das crianças. A Oração depois da Comunhão volta ainda a insistir na firmeza na fé e a união na caridade, preocupações do zelo pastoral do santo comemorado.

Podemos, pois, realçar três aspectos na missão do papa São Pio X: a defesa da fé cristã, o zelo pastoral e a vida litúrgica, que deve levar sempre mais à perfeição da caridade.

Referência:
BECKHÄUSER, Frei Alberto. Os Santos na Liturgia: testemunhas de Cristo. Petrópolis: Vozes, 2013. 391 p. Adaptações: Equipe Pocket Terço.