Apoiadores do Pocket Terço
Terço com imagens no Youtube
Reze os Mistérios Dolorosos com imagens

Antífona de entrada

O Senhor disse a Simão Pedro: Roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça. E tu, por tua vez, confirma os teus irmãos. (Lc 22, 32)
Státuit ei Dóminus testaméntum pacis, et príncipem fecit eum: ut sit illi sacerdótii dígnitas in aetérnum. Ps. Meménto Dómine David: et omnis mansuetúdinis eius. (Sir. 45, 30; Ps. 131)
Vernáculo:
Deus lhe confirmou uma aliança de paz, constituindo-o príncipe do Santuário e de seu povo, a fim de que a ele e à sua descendência pertencesse para sempre a dignidade sacerdotal. (Cf. MR: Eclo 45, 30) Sl. Recordai-vos, ó Senhor, do rei Davi e de quanto vos foi ele dedicado. (Cf. LH: Sl 131, 1)

Glória

Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por Ele amados.
Senhor Deus, Rei dos céus, Deus Pai todo poderoso.
Nós Vos louvamos, nós Vos bendizemos, nós Vos adoramos, nós Vos glorificamos, nós Vos damos graças por Vossa imensa glória.
Senhor Jesus Cristo, Filho unigênito, Senhor Deus, Cordeiro de Deus, Filho de Deus pai, Vós que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós.
Vós que tirais o pecado do mundo, acolhei a nossa súplica.
Vós que estais à direita do Pai, tende piedade de nós.
Só Vós sois o Santo, só Vós, o Senhor, Só Vós o Altíssimo, Jesus Cristo, com o Espírito Santo, na glória de Deus Pai.
Amém.

Oração do dia

Concedei, ó Deus todo-poderoso, que nada nos possa abalar, pois edificastes a vossa Igreja sobre aquela pedra que foi a profissão de fé do apóstolo Pedro. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Primeira Leitura (1Pd 5, 1-4)


Leitura da Primeira Carta de São Pedro


Caríssimos, 1exorto aos presbíteros que estão entre vós, eu, presbítero como eles, testemunha dos sofrimentos de Cristo e participante da glória que será revelada: 2Sede pastores do rebanho de Deus, confiado a vós; cuidai dele, não por coação, mas de coração generoso; não por torpe ganância, mas livremente; 3não como dominadores daqueles que vos foram confiados, mas antes, como modelos do rebanho. 4Assim, quando aparecer o pastor supremo, recebereis a coroa permanente da glória.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 22)


℟. O Senhor é o pastor que me conduz, não me falta coisa alguma.


— O Senhor é o pastor que me conduz; não me falta coisa alguma. Pelos prados e campinas verdejantes, ele me leva a descansar. Para as águas repousantes me encaminha, e restaura as minhas forças. ℟.

— Ele me guia no caminho mais seguro, pela honra do seu nome. Mesmo que eu passe pelo vale tenebroso, nenhum mal eu temerei. Estais comigo com bastão e com cajado, eles me dão a segurança! ℟.

— Preparais à minha frente uma mesa, bem à vista do inimigo; com óleo vós ungis minha cabeça, e o meu cálice transborda. ℟.

— Felicidade e todo bem hão de seguir-me, por toda a minha vida; e, na casa do Senhor, habitarei pelos tempos infinitos. ℟.


https://youtu.be/7UGmVCZAsLA
℟. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
℣. Tu és Pedro, e sobre esta pedra eu irei construir minha Igreja, e as portas do inferno não irão derrotá-la. (Mt 16, 18) ℟.

Evangelho (Mt 16, 13-19)


℣. O Senhor esteja convosco.

℟. Ele está no meio de nós.


℣. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Mateus 

℟. Glória a vós, Senhor.


Naquele tempo, 13Jesus foi à região de Cesareia de Filipe e ali perguntou aos seus discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?” 14Eles responderam: “Alguns dizem que é João Batista; outros que é Elias; outros ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas”. 15Então Jesus lhes perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” 16Simão Pedro respondeu: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. 17Respondendo, Jesus lhe disse: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. 18Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. 19Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que tu desligares na terra será desligado nos céus”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Antífona do Ofertório

In omnem terram exívit sonus eórum: et in fines orbis terrae verba eórum. (Ps. 18, 5)


Vernáculo:
Seu som ressoa e se espalha em toda a terra, chega aos confins do universo a sua voz. (Cf. LH: Sl 18, 5)

Sobre as Oferendas

Acolhei, ó Deus, com bondade, as oferendas e orações de vossa Igreja, para que, tendo Pedro como pastor, mantenha a integridade da fé e alcance a herança eterna. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão

Pedro disse a Jesus: Tu és o Cristo, Filho do Deus vivo. Jesus lhe respondeu: Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja. (Mt 16, 16. 18)
Tu es Petrus, et super hanc petram aedificábo Ecclésiam meam. (Mt. 16, 18; ℣. Ps. 79, 2ab. 9. 10. 11. 12. 15. 16. 18. 19)
Vernáculo:
Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja. (Cf. MR: Mt 16, 18)

Depois da Comunhão

Ó Deus, que, ao celebrarmos a festa do apóstolo Pedro, nos fortalecestes com o Corpo e o Sangue de Cristo, fazei que este convívio redentor seja para nós sacramento de unidade e de paz. Por Cristo, nosso Senhor.

Homilia do dia 22/02/2022
“Não foi a carne nem o sangue”

O homem, na ordem da natureza, é corpo e alma; mas, ao receber o dom da graça divina, adquire também um espírito, uma participação na natureza divina e a capacidade de ser movido docilmente pelo Espírito Santo a realizar atos de fé sobrenaturais.

Celebramos hoje a festa da Cátedra de São Pedro, por ocasião da qual a Igreja repete, agora pela pena de S. Mateu. Aqui, o evangelista nos conduz a Cesareia de Filipe, onde S. Pedro professa sua fé em Cristo, e este, ao ver o príncipe dos Apóstolos deixar-se iluminar pelo Espírito Santo, prorrompe de júbilo, dizendo: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu”. Porque, com efeito, como diz a Epístola aos Tessalonicenses, o homem é corpo, alma e espírito: corpo e alma, na ordem meramente natural, e espírito, quando elevado pela graça à participação da natureza divina. Os que são só corpo e alma, movem-se ora pelos apetites sensíveis, quando não cresceram ainda em virtude, ora pelo conhecimento do bem e do dever, quando começam a sair da “infância” moral e adquirem os primeiros hábitos virtuosos. Mas tudo isso é ainda muito pouco para um cristão, porque não é o sangue nem a carne, mas somente o Pai celeste que nos pode levar ao conhecimento de seu Filho encarnado, Jesus Cristo, nem há virtude natural que, sozinha, sem um dom gratuito dos céus, nos faça dignos de receber a luz da fé. Por isso, o fiel precisa que Deus, que lhe deu o corpo e a alma naturais, lhe dê também um espírito, isto é, uma modificação íntima operada pela graça que o torne apto para ser movido pelo Espírito Santo, o único que pode levar-nos a dizer, com aquela fé sobrenatural: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. Que, por intercessão de S. Pedro, fundamento da Igreja e princípio visível da unidade da fé, Deus nos conceda o dom de sua graça e faça bem-aventuradas as nossas almas, por crerem como convém à nossa salvação e santificação diária.

Deus abençoe você!

Seja um apoiador!
Ajude-nos a manter o Pocket Terço: pocketterco.com.br/ajude

Homilia Diária | O Papa tem um poder que não é dele (Festa da Cátedra de São Pedro)

Celebrar hoje a Cátedra de São Pedro é festejar, antes de tudo, a continuidade da presença, da palavra e do poder sacramental que Cristo, Cabeça invisível da Igreja, continua a exercer providencialmente sobre o seu Corpo Místico ao longo dos séculos.Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta terça-feira, 22 de fevereiro, e rezemos para que o Papa, mantendo-se fiel ao poder que lhe foi confiado, possa governar a Igreja com prudência e transmitir, de forma incorruptível, a doutrina do Redentor da humanidade.


https://youtu.be/9uzUDIKpeWY

Santo do dia 22/02/2022


Cátedra de São Pedro (Festa)
Data: 22 de Fevereiro


Até a pequena reforma do Calendário Romano aprovada pelo papa João XXIII em 1960 havia duas tradições da "Cátedra de São Pedro": a de Antioquia e a de Roma. Eram também duas as celebrações: no dia 22 de fevereiro a da Cátedra de São Pedro em Antioquia e no dia 18 de janeiro a da Cátedra de São Pedro em Roma. Naquela reforma foi suprimida a comemoração de 22 de fevereiro. As duas tradições se confundem e se fundem em uma só.

A reforma do Calendário Romano, feita por ordem do Concílio Vaticano II, unificou as duas comemorações para o dia 22 de fevereiro.

Trata-se de uma segunda comemoração de São Pedro Apóstolo em nível de festa, como a tem também, São Paulo, na festa de sua conversão. Convém lembrar também aqui que as duas festas complementares, a da conversão de São Paulo, no dia 25 de janeiro, e a da Cátedra de São Pedro, no dia 22 de janeiro, expressam bem a vocação e a missão específicas destas duas colunas da Igreja.

Na comemoração da Cátedra de São Pedro realça-se um determinado aspecto da missão do Apóstolo, ou seja, sua função de Chefe da Igreja, de Pastor de todas as Igrejas, Pastor universal por indicação do próprio Cristo: "Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja" (Mt 16, 18) e "apascenta as minhas ovelhas" (cf. Jo 21, 15-17).

A palavra cátedra significa cadeira ou sede. É a cadeira ocupada por quem ensina, por quem preside. Assim, a atual celebração deste dia, sob o símbolo da Cátedra, salienta a missão de mestre e pastor conferida por Cristo a Pedro, por ele constituído, em sua pessoa e na dos sucessores, princípio e fundamento visível da unidade da Igreja, bem como garantia da verdade. É a festa de São Pedro como príncipe dos Apóstolos, príncipe no sentido de primeiro, de chefe.

Trata-se, pois, do Primado de São Pedro. No fundo, seria este o dia mais adequado para ser o dia do Papa e não a solenidade de São Pedro que em mesmo nível é também de São Paulo.

Nesta festa celebra-se o mistério da Igreja edificada sobre aquela pedra que foi a profissão de fé do apóstolo Pedro, como a Igreja professa e reza na Oração coleta. Significativa é também a Oração sobre as oferendas: Acolhei, ó Deus, com bondade as oferendas e orações de vossa Igreja, para que, tendo Pedro como pastor, mantenha a integridade da fé e alcance a herança eterna. A Oração depois da Comunhão lembra a festa do apóstolo Pedro. Nela Deus nos fortalece com o Corpo e o Sangue de Cristo, sacramento de unidade e de paz.

Na mesma linha do primado de São Pedro estão as antífonas da Entrada e da Comunhão:

Entrada: O Senhor disse a Simão Pedro: Roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça. E tu, por tua vez, confirma os teus irmãos.

Comunhão: Pedro disse a Jesus: Tu és o Cristo, Filho do Deus vivo. Jesus lhe respondeu: Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja.

Não devemos esquecer que o Papa é o Bispo de Roma. Por isso se fala em Igreja Católica, Apostólica, Romana. Esta festa deve levar a Igreja a um intenso amor pelo bispo de Roma. Desta Sé, desta Cátedra, ele é também pastor da Igreja universal. Neste dia todos são convidados a rezar pelo Bispo de Roma, o Papa, para que possa na fé e na caridade conduzir o rebanho de Cristo às pastagens eternas.

Referência:
BECKHÄUSER, Frei Alberto. Os Santos na Liturgia: testemunhas de Cristo. Petrópolis: Vozes, 2013. 391 p. Adaptações: Equipe Pocket Terço.