Antífona de Entrada:
Meus Deus, vinde libertar-me, apressai-vos, Senhor, em socorrer-me. Vós sois o meu socorro e o meu libertador; Senhor, não tardeis mais (Sl 69,2.6).

Oração do Dia:
Manifestai, ó Deus, vossa inesgotável bondade para com os filhos e filhas que vos imploram e se gloriam de vos ter como criador e guia, restaurando para eles a vossa criação e conservando-a renovada. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Primeira Leitura (Na 2,1.3;3,1-3.6-7)


Leitura da Profecia de Naum.

2,1“Eis sobre os montes os passos de um mensageiro, que anuncia a paz. Ó Judá, celebra tuas festas, cumpre tuas promessas: nunca mais Belial pisará teu solo; ele foi aniquilado. 3O Senhor há de restaurar a grandeza de Jacó, assim como a grandeza de Israel, pois os ladrões os saquearam e devastaram suas videiras.

3,1Ai de ti, cidade sanguinária, cheia de imposturas, cheia de espoliação e de incessante rapinagem. 2Estalo de chicotes, fragor de rodas, cavalos relinchando, ringir de carros impetuosos, cavaleiros à carga, 3espadas brilhando e lanças reluzentes, trucidados sem conta, mortos aos montes; cadáveres sem fim, tropeça-se sobre os corpos.

6Farei cair sobre ti tuas abominações, e te lançarei em rosto merecidos insultos; de ti farei um exemplo. 7Assim, todos os que te virem, fugirão para longe, dizendo: ‘Nínive está em ruínas! Quem terá compaixão dela? Onde achar quem a console?’”


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Dt 32,35-41)


R. Sou eu que tiro a vida, sou eu quem faz viver!


— Já vem o dia em que serão arruinados e o seu destino se apressa em chegar. Porque o Senhor fará justiça a seu povo e salvará todos aqueles que o servem. R.

— Saibam todos que eu sou, somente eu, e não existe outro Deus além de mim: quem mata e faz viver, sou eu somente, sou eu que firo e eu que torno a curar. R.

— Se eu afiar a minha espada reluzente e com as minhas próprias mãos fizer justiça, dos adversários todos hei de me vingar e vou retribuir aos que odeiam. R.


R. Aleluia, aleluia, aleluia.
V. Felizes os que são perseguidos por causa da justiça do Senhor, porque o reino dos céus há de ser deles! (Mt 5,10) R.


Evangelho (Mt 16,24-28)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 24Jesus disse aos discípulos: “Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga. 25Pois quem quiser salvar a sua vida vai perdê-la; e quem perder a sua vida por causa de mim, vai encontrá-la.

26De fato, de que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro mas perder a sua vida? Que poderá alguém dar em troca de sua vida? 27Porque o Filho do Homem virá na glória do seu Pai, com os seus anjos, e então retribuirá a cada um de acordo com a sua conduta. 28Em verdade vos digo: Alguns daqueles que estão aqui não morrerão antes de verem o Filho do Homem vindo com o seu Reino”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Vivamos os valores do Reino na nossa vida

“De fato, de que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro mas perder a sua vida? Que poderá alguém dar em troca de sua vida?” (Mateus 19,26)

A lei da vida nos critérios da modernidade é ganhar. As pessoas vivem para ganhar e ninguém quer saber de perder, aliás, perda significa frustração e derrota. É diante de tantas perdas que as pessoas estão ficando cada vez mais frustradas e iludidas, porque estão se movendo pelo motor da gana que move a sociedade em que estamos.

As coisas se tornam aceleradas, disputadas e competitivas, porque o que vale é ganhar, o importante é vencer, lucrar e sempre ter mais.

Quando paramos para meditar, o Mestre Jesus nos coloca na contramão do mundo, mas na mão e na direção do Céu e da verdade. Do que adianta ganhar, lucrar, juntar e ter tudo, mas perder a própria vida? Quando digo "perder a vida", não é só perder a vida para a eternidade, porque essa é mais dura ainda, mas é perder a própria vida não a vivendo, não dando sentido para ela, para a sua existência.

É preciso reconhecer que o sentido da vida de alguém que quer só ganhar é muito pobre de significado, é muito vazia. Quando a vida da pessoa é baseada nos valores financeiros, nos lucros e ganhos, que vazia é essa vida!

Para viver é necessário perder para ganhar valores e verdadeiros sentidos para a nossa existência

O dinheiro pode querer comprar tudo, mas ele não compra a vida, sobretudo, a vida eterna e a vida em Deus. Eu sei que alguns querem comprar Deus e as coisas d’Ele, mas o Céu não se compra, não se paga com valores financeiros.

O sentido do seguimento de Jesus para ganhar a vida é a renúncia, o abandono, é o negar a si próprio. Quando digo “negar a si próprio” não é não ter identidade, mas é ter uma identidade transformada, é não ter uma identidade egoísta, orgulhosa, soberba, onde volto para mim, onde sou o centro do mundo, das coisas e da atenção. É isso que perde a nossa vida, que tira a qualidade da nossa vida, é isso que tira a nossa vida da comunhão com o Deus, ator e Senhor da vida.

Deus quer que tenhamos vida plena e abundante, por isso o lema da sua vida não seja ganhar e viver. Muitas vezes, para viver é necessário perder, para ganhar valores, verdadeiros sentidos para a existência, para sabermos valorizar o outro que está ao nosso lado.

Desde pequenos, acostume seus filhos a saberem perder para que não cresçam egoístas, orgulhosos, soberbos e, muitas vezes, sem valores. O valor da vida é compartilhar, ceder e amar. O valor da vida é desaparecer para que o outro apareça; é tirar do que temos para saber repartir com quem, muitas vezes, não tem.

É preciso viver os valores do Reino na vida de cada dia.

Deus abençoe você!  

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Memória de São Sisto II, Mártir e Papa

Eleito Papa num dos períodos mais conturbados da história da Igreja, martirizada pelas violentas perseguições romanas, São Sisto II teve um breve, mas fecundo pontificado. Além de dirimir importantes discussões teológicas, selou sua passagem pela sé de Pedro com o próprio sangue, dando por Cristo a vida como fiel pastor universal da Igreja e valente testemunha da única fé verdadeira. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta sexta-feira, dia 7 de agosto, e que o bem-aventurado Sisto, do alto de seu trono celeste, continue a velar por nós que ainda militamos na Terra rumo ao triunfo do Céu!





Santo do Dia:

São Sisto II e companheiros mártires

Os anos que se seguiram de 250 até 260 foram uns dos mais terríveis e, ao mesmo tempo, gloriosos do Cristianismo; terríveis devido à fúria dos imperadores Décio e Valeriano, e gloriosos por conta da têmpera dos inúmeros mártires, que foram os que mais glorificaram a Deus.

O Santo Papa Sisto II, a quem celebramos neste dia, foi um destes homens que soube transformar o terrível em glória, a partir do seu testemunho de fé, amor e esperança em Cristo Jesus. Pertence à lista de cinco consecutivos Papas mártires, São Sisto II governou a Igreja durante um ano (257 - 258) e neste tempo semeou a paz e a unidade no seio da Igreja de Cristo.

Foi Sisto decapitado pela polícia durante uma cerimônia clandestina que ele celebrava num cemitério da via Ápia. Foram ao mesmo tempo executados seis dos sete diáconos que o rodeavam. Só pouparam algum tempo o diácono Lourenço, seu tesoureiro, a quem deixaram quatro dias para entregar os bens da Igreja. Assim se procedia desde que o imperador Valeriano (+260) estabelecera a pena de morte "sem julgamento, só com verificação de identidade", contra os Bispos, padres e diáconos da religião cristã.

Desta forma, São Sisto II e seus companheiros mártires entregaram suas vidas em sinal de fidelidade a Cristo e foram recompensados com o tesouro da eternidade no Céu.

São Sisto II e companheiros mártires, rogai por nós!

 


Oração sobre as Oferendas:
Dignai-vos, ó Deus, santificar estas oferendas e, aceitando este sacrifício espiritual, fazei de nós uma oferenda eterna para vós. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona de Comunhão:
Vós nos destes, Senhor, o pão do céu, que contém todo sabor e satisfaz todo paladar (Sb 16,20).

Oração depois da Comunhão:
Acompanhai, ó Deus, com proteção constante os que renovastes com o pão do céu e, como não cessais de alimentá-los, tornai-os dignos da salvação eterna. Por Cristo, nosso Senhor.