Primeira Leitura (2Cr 24,17-25)


Leitura do Segundo Livro das Crônicas.


17Depois da morte de Joiada, os chefes de Judá vieram prostrar-se diante do rei Joás, que, atraído por suas lisonjas, se deixou levar por eles. 18Os chefes de Judá abandonaram o templo do Senhor, o Deus de seus pais, e prestaram culto a troncos sagrados e a imagens esculpidas, atraindo a ira divina sobre Judá e Jerusalém por causa desse crime.


19O Senhor mandou-lhes profetas para que se convertessem a ele. Porém, por mais que estes protestassem, não lhe queriam dar ouvidos. 20Então o espírito de Deus apoderou-se de Zacarias, filho do sacerdote Joiada, e ele apresentou-se ao povo e disse: “Assim fala Deus: Por que transgredis os preceitos do Senhor? Isto não vos será de nenhum proveito. Porque abandonastes o Senhor, ele também vos abandonará”.


21Eles, porém, conspiraram contra Zacarias e mataram-no a pedradas por ordem do rei, no pátio do templo do Senhor. 22O rei Joás não se lembrou do bem que Joiada, pai do profeta, lhe tinha feito, e matou o seu filho. Zacarias, ao morrer, disse: “Que o Senhor veja e faça justiça!” 23Ao cabo de um ano, o exército da Síria marchou contra Joás, invadiu Judá e Jerusalém, massacrou os chefes do povo, e enviou toda a presa de guerra ao rei de Damasco.


24Na verdade, o exército da Síria veio com poucos homens, mas o Senhor entregou nas mãos deles um exército enorme, porque Judá tinha abandonado o Senhor, o Deus de seus pais. Assim, os sírios fizeram justiça contra Joás. 25Quando eles se retiraram, deixando-o gravemente enfermo, seus homens conspiraram contra ele, para vingar o filho do sacerdote Joiada, e mataram-no em seu leito. Ele morreu e foi sepultado na cidade de Davi, mas não no sepulcro dos reis.


Responsório (Sl 88)


— Guardarei eternamente para ele a minha graça!


Guardarei eternamente para ele a minha graça!


— “Eu firmei uma Aliança com meu servo, meu eleito, e eu fiz um juramento a Davi, meu servidor: Para sempre, no teu trono, firmarei tua linhagem, de geração em geração garantirei o teu reinado!”


— Guardarei eternamente para ele a minha graça e com ele firmarei minha Aliança indissolúvel. Pelos séculos sem fim conservarei sua descendência, e o seu trono, tanto tempo quanto os céus, há de durar”.


— “Se seus filhos, porventura, abandonarem minha lei e deixarem de andar pelos caminhos da Aliança; se, pecando, violarem minhas justas prescrições e se não obedecerem aos meus santos mandamentos:


— Eu então, castigarei os seus crimes com a vara, com açoites e flagelos punirei as suas culpas. Mas não hei de retirar-lhes minha graça e meu favor e nem hei de renegar o juramento que lhes fiz.


Evangelho (Mt 6,24-34)


— O Senhor esteja convosco.


— Ele está no meio de nós.


— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.


— Glória a vós, Senhor.


Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 24“Ninguém pode servir a dois senhores: pois, ou odiará um e amará o outro, ou será fiel a um e desprezará o outro. Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro.


25Por isso eu vos digo: não vos preocupeis com a vossa vida, com o que havereis de comer ou beber; nem com vosso corpo, com o que havereis de vestir. Afinal a vida não vale mais do que o alimento, e o corpo, mais do que a roupa? 26Olhai os pássaros dos céus: eles não semeiam, não colhem, nem ajuntam em armazéns. No entanto, vosso Pai que está nos céus os alimenta. Vós não valeis mais do que os pássaros?


27Quem de nós pode prolongar a duração da própria vida, só pelo fato de se preocupar com isso? 28E por que ficais preocupados com a roupa? Olhai como crescem os lírios do campo: eles não trabalham nem fiam. 29Porém, eu vos digo: nem o rei Salomão, em toda a sua glória, jamais se vestiu como um deles. 30Ora, se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é queimada no forno, não fará ele muito mais por vós, gente de pouca fé?


31Portanto, não vos preocupeis, dizendo: Que vamos comer? Que vamos beber? Como vamos nos vestir? 32Os pagãos é que procuram essas coisas. Vosso Pai, que está nos céus, sabe que precisais de tudo isso. 33Pelo contrário, buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão dadas por acréscimo. 34Portanto, não vos preocupeis com o dia de amanhã, pois o dia de amanhã terá suas preocupações! Para cada dia, bastam seus próprios problemas”.


Homilia: O dinheiro é o grande promotor das injustiças no mundo

Uma grande injustiça é deixar de servir a Deus para servir ao deus deste mundo, que é o dinheiro

“Ninguém pode servir a dois senhores: pois, ou odiará um e amará o outro, ou será fiel a um e desprezará o outro. Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro” (Mateus 6,24).

As palavras de Jesus podem parecer duras, mas são verdadeiras. Precisamos delas para que a nossa vida ande na medida correta, é a justa medida para o nosso coração.

Não podemos servir a dois senhores. Deus é Deus, e o deus deste mundo é o dinheiro. Não precisamos ter dúvida nenhuma a respeito disso. É o mercado financeiro com tudo aquilo que ele tem de desdobramentos que manda na vida, nos negócios e nas relações. O deus dinheiro, muitas vezes, manda até dentro da igreja, manda nas pessoas da igreja, nas relações que elas estabelecem umas com as outras.

Não podemos ser dominados pelo Deus deste mundo, pelo contrário, temos de nos servir do dinheiro, para que ele promova paz, justiça e o bem comum. O dinheiro, muitas vezes, é a mercadoria e o mecanismo para o enriquecimento de alguns e o empobrecimento da grande maioria. O dinheiro é o grande promotor das injustiças no mundo.

Estão perguntando por que Deus permite tantas injustiças, mas Ele não permite nenhuma injustiça, Ele chora com as coisas injustas deste mundo; e a grande injustiça é deixar de servi-Lo para servir ao deus deste mundo, que é o dinheiro.

Se os corações servissem a Deus, o dinheiro não seria utilizado para alguns enriquecerem, para juntarem só para si, mas repartiriam o que Deus deu para todos com todos. A prática perversa de uns terem mais e outros não terem nada nunca é abençoada por Deus.

O dinheiro conseguido com suor no bolso, com o trabalho, é mais do que justo, mais do que honesto e necessário, mas escravizar-se pelo dinheiro e deixar que ele mande em nossas relações é a grande perversidade do mundo em que nós vivemos.

“Não vos preocupeis com a vossa vida” (Mateus 6,25). O dinheiro nos leva a ter uma vida excessivamente preocupada com os acúmulos: O que vou ter? O que vou comer. Nunca estamos satisfeitos com a roupa que temos, com a comida que comemos, com aquilo que podemos. Estamos sempre preocupados em ter mais.

Quanto mais nos preocupamos com as coisas do mundo, menos o nosso coração se ocupa de Deus, e Ele pode se ocupar de nós para nos ajudar a ter uma vida justa, correta e sóbria.

Não sirvamos ao deus desse mundo, sirvamos unicamente àquele que é o nosso Deus e Senhor.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
fb.com/rogeraraujo.cn

Santo do Dia:

São José Cafasso, zelou pela salvação das almas

O santo de hoje nasceu em Castelnuovo d’Asti, na Itália, no ano de 1811, onde também nasceu o grande São João Bosco. José Cafasso, desde criança, sentiu-se chamado ao sacerdócio, que foi se tornando cada vez mais forte no decorrer de sua vida com Deus.

Assim, entrou para a formação sacerdotal e se tornou padre aos 23 anos, destacando-se no meio de tantos por seu amor aos pobres e zelo pela salvação das almas. Depois de comprovado e dedicado trabalho na Igreja de São Francisco em Turim, José assumiu, com toda sua bagagem de pregador, confessor e iluminado diretor espiritual, a função de reitor e formador de novos sacerdotes.

Dom Bosco foi um dos vocacionados que desfrutou das formações e aconselhamentos deste santo, pois como um sacerdote sintonizado ao coração do Cristo Pastor, sabia muito bem colocar sua cultura eclesiástica, dons e carismas a serviço da salvação do próximo.

Dentre tantos ofícios assumidos por este homem incansável, que foi para o Céu em 1860, despontou José Cafasso na evangelização dos condenados à forca, tanto assim que ficou conhecido como o “Santo da Forca”.

São José Cafasso, rogai por nós!